Mensalão

Rosa Weber segue relator e condena dez por corrupção

A ministra considerou culpados todos os acusados que receberam recursos do esquema montado pelo publicitário Marcos Valério

Da Agência Estado
Da Agência Estado
Publicado em 27/09/2012 às 16:14
Leitura:

A ministra do Supremo Tribunal Federal Rosa Weber seguiu integralmente o voto do ministro Joaquim Barbosa, relator do processo do mensalão, e se manifestou nesta quinta pela condenação de 10 réus pelo crime de corrupção passiva. Rosa considerou culpados todos os acusados que receberam recursos do esquema montado pelo publicitário Marcos Valério.

Do PP, a ministra votou pela condenação do ex-presidente do partido Pedro Corrêa, do ex-líder da bancada na Câmara Pedro Henry e do ex-assessor da legenda João Cláudio Genu.

No caso do extinto PL, Rosa votou pela punição do ex-presidente do partido e deputado federal Valdemar Costa Neto, do ex-deputado Bispo Rodrigues e do ex-tesoureiro do partido Jacinto Lamas.

A ministra também considerou culpado o presidente do PTB e delator do mensalão, Roberto Jefferson, o ex-deputado federal pelo partido Romeu Queiroz e o ex-secretário-geral da legenda Emerson Palmieri.

Por último, Rosa votou pela condenação do ex-líder do PMDB na Câmara dos Deputados José Borba.

No rápido voto, a ministra só fez questão de explicar sua posição nos casos em que o relator, Joaquim Barbosa, e o revisor Ricardo Lewandowski, divergiram. Rosa disse considerar "falso" o álibi usado pelo ex-líder do PP Pedro Henry para receber os recursos do valerioduto: o dinheiro do PT serviria para pagar a defesa de um advogado de um parlamentar do partido. "Os valores dos repasses não conferem com os valores devidos", afirmou a ministra, referindo-se aos honorários advocatícios do defensor.

Em outra manifestação, Rosa disse que o ex-tesoureiro do PTB Emerson Palmieri tinha contato com Marcos Valério, sabendo, dessa forma, de todo o esquema criminoso de repasse de recursos para o partido.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias