Mensalão

Defesa de Jefferson não crê que Gurgel investigará Lula

O defensor de Roberto Jefferson disse que uma apuração contra Lula, caso ocorresse, seria realizada em outro inquérito ou processo criminal

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 01/11/2012 às 17:43
Leitura:

O advogado Luiz Francisco Corrêa Barbosa, que defende o delator do mensalão, Roberto Jefferson, no processo em julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta quinta-feira (1º) que não acredita que o procurador-geral da República, Roberto Gurgel vá levar adiante uma investigação contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A edição desta quinta do jornal O Estado de S. Paulo revelou que o empresário Marcos Valério, apontado como operador do mensalão, prestou em setembro um depoimento à Procuradoria-Geral da República em que cita o ex-presidente. "Ele (Gurgel) não tem iniciativa ou interesse, o certo é que ele não vai em cima do Lula", disse o advogado.

Para Corrêa Barbosa, não há dúvida de que, se Valério dizer "o que promete", o ex-presidente deveria ser investigado por envolvimento no esquema. Corrêa Barbosa tentou várias vezes, sem sucesso, incluir Lula na lista dos réus do processo do mensalão.

O defensor de Roberto Jefferson disse que uma apuração contra Lula, caso ocorresse, seria realizada em outro inquérito ou processo criminal - não o que está em julgamento desde agosto pelo STF. Na opinião do advogado, o chefe do Ministério Público, Roberto Gurgel, ou o ministro relator do mensalão, Joaquim Barbosa, não admitiram a possibilidade de investigar Lula. "O procurador-geral acha que o Lula é bondoso", ironizou.

Corrêa Barbosa classificou o depoimento de Valério como "abraço do afogado", em uma alusão ao fato de o empresário já ter sido condenado a 40 anos de prisão pelo Supremo. O advogado de Jefferson, entretanto, disse que o empresário demorou a falar. "Acho que parece o zagueiro que chegou atrasado numa jogada: ou faz a falta ou toma o drible", afirmou.

O advogado do delator do mensalão lembrou ainda que o empresário "tecnicamente" pode obter direito à delação premiada ou a ingressar em um programa de proteção a testemunhas a qualquer momento do processo, até mesmo na fase de execução das penas. Corrêa Barbosa acredita Valério "está investindo no futuro para não aumentar outras penas" em casos de condenação.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias