saúde

Padilha vai à TV anunciar vacinação em março

O ministro vai anunciar a vacinação de meninas de 11 a 13 anos contra o vírus do HPV, que pode causar câncer no útero

Da AE
Da AE
Publicado em 29/01/2014 às 8:25
Foto: Elza Fiúza/ABr
O ministro vai anunciar a vacinação de meninas de 11 a 13 anos contra o vírus do HPV, que pode causar câncer no útero - FOTO: Foto: Elza Fiúza/ABr
Leitura:

Às vésperas de deixar o governo federal para se dedicar à disputa pelo comando do Estado de São Paulo, o ministro da Saúde Alexandre Padilha, terá seu último palanque eletrônico no cargo na noite desta quarta-feira (29) quando falará em rede nacional de rádio e TV às 20h30. Será sua quinta aparição no governo Dilma Rousseff - um recorde. Outros a falar em rede, mas apenas uma vez, foram Izabella Teixeira (Meio Ambiente), o ex-ministro Orlando Silva (Esporte) e Luiza Bairros (Igualdade Racial).

Padilha vai anunciar a vacinação de meninas de 11 a 13 anos contra o vírus do HPV, que pode causar câncer no útero. Mas a campanha do ministério só começa dia 10 de março. Nos quatro pronunciamentos anteriores, o ministro abordou medidas que entrariam em vigor no dia seguinte. A primeira em 24 de abril de 2011, sobre uma campanha contra a gripe. Depois, a 17 de junho e a 12 de agosto de 2011, sobre vacinação contra paralisia infantil. E em 4 de março de 2012, explicou a Semana de Mobilização Saúde nas Escolas.

Ao entrar de novo em rede nacional, Padilha consegue ampliar seu nível de conhecimento na vida nacional - hoje tido como muito baixo, ainda, como apontam pesquisas eleitorais.

O pronunciamento, segundo o Ministério da Saúde, custou R$ 55 mil e foi preparado pela agência Propeg. As ações “visam a esclarecer o conjunto da sociedade sobre a importância da vacinação, sua eficácia e sua segurança”, disse em nota a assessoria do ministro. A data, segundo ela, é conveniente pela volta do período escolar.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias