repercussão

Hamsters da CPI são adotados e batizados

Roedores estão sendo chamados de Dilma e Ideli, em referência à presidente Dilma e à ministra dos Direitos Humanos

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 10/04/2015 às 23:33
Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Roedores estão sendo chamados de Dilma e Ideli, em referência à presidente Dilma e à ministra dos Direitos Humanos - FOTO: Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Leitura:

Dois hamsters soltos durante a sessão da CPI da Petrobras na última quinta-feira foram batizados pelo deputado Ricardo Izar Júnior (PSD-SP) com os nomes de Dilma e Ideli, em referência à presidente Dilma Rousseff e à ministra Ideli Salvati (Direitos Humanos). A informação foi dada nesta sexta pelo repórter Romualdo de Souza, da Rádio Jornal. A ministra tomou conhecimento da “iniciativa”, mas minimizou o episódio, afirmando à reportagem da Rádio Jornal que não via problemas na “homenagem”.

Izar é coordenador da Frente Parlamentar de Defesa dos Animais da Câmara e recolheu os bichos logo após a tumultuada sessão – um dos humsters chegou a ser machucado na confusão. Os dois hamsters e os três esquilos-da-Mongólia são cobiçados por centenas de pretendentes. No gabinete de Ricardo Izar, chegaram pouco mais de 900 mensagens de pessoas interessadas em adotar os animais.

"A repercussão foi muito grande, mas não é surpresa o tamanho desse interesse. No Brasil, a rede de defesa dos animais é muito extensa e a causa, nobre, só ganha adesões”, disse Izar. Mas os roedores já estão com destino definido. O próprio Izar vai cuidar de um dos hamster, um esquilo ficará com o também deputado Laudivio Carvalho (PMDB-MG). Um dos hamster será entregue à entidade Sala de Recursos em Alta Habilidades e Superdotação, que está atrás de um mascote para a instituição.

"As crianças do grupo há muito esperam por uma mascote e acredito que esta seja uma oportunidade muito interessante", afirmou a diretora da entidade Cláudia Guerreiro.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias