Áudio de Temer

'O Eduardo resolveu me fustigar', queixa-se Temer a Joesley

Durante a conversa, Temer lembrou que Cunha o arrolou como testemunha. Íntegra do diálogo foi gravada por Joesley

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 18/05/2017 às 22:28
Marcelo Camargo/ Agência Brasil
Durante a conversa, Temer lembrou que Cunha o arrolou como testemunha. Íntegra do diálogo foi gravada por Joesley - FOTO: Marcelo Camargo/ Agência Brasil
Leitura:

"O Eduardo resolveu me fustigar", queixa-se o presidente Michel Temer ao empresário Joesley Batista, do Grupo JBS, delator da Operação Patmos, capítulo mais explosivo da Lava Jato, na gravação liberada nesta quinta-feira (18) pelo STF.

A reclamação do presidente era dirigida ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ), preso desde outubro de 2016, já condenado pelo juiz Sérgio Moro a 15 anos e quatro meses de cadeia por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Joesley gravou toda a conversa com Temer naquela noite de 7 de março no Palácio do Jaburu.

Ele puxou o assunto Eduardo Cunha. "Eu não sei como é que tá essa relação..."

Temer lembra que a defesa do ex-deputado o arrolou como testemunha. "O Eduardo resolveu me fustigar... O Moro indeferiu 21 perguntas dele que não tem nada a ver com a defesa dele, pra me entrutar, eu não fiz nada ...fatalidade ...ele tá aí rapaz."

Pouco depois, no meio da conversa gravada no Palácio do Jaburu, o presidente Michel Temer aconselhou Joesley Batista, do Grupo JBS: "Tem que manter isso, viu?", em resposta a um relato sobre o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso desde outubro na Operação Lava Jato. "O que mais ou menos eu dei conta de fazer até agora, tô de bem com o Eduardo. Eu tô segurando as pontas com ele", disse Joesley.

'Tamo junto', diz Joesley a Temer em áudio

"Tamo junto aí, o que o sr. precisar de mim, viu, me fala", disse Joesley Batista, do Grupo JBS, ao presidente Michel Temer, na noite de 7 de março no Palácio do Jaburu. Os dois falavam sobre investigações da Lava Jato e sobre Eduardo Cunha, o ex-presidente da Câmara que está preso desde outubro de 2016.

O que Temer não sabia é que seu interlocutor estava gravando a conversa. A partir do minuto 9m33 do áudio, Joesley diz. "Queria te ouvir um pouco presidente, como é que o sr. tá nessa situação toda do Eduardo, não sei o quê."

Nesse trecho do diálogo, Joesley começa a relatar o que chamou de 'liquidação' com Eduardo Cunha, uma referência a pagamentos ao peemedebista prisioneiro.

"Dentro do que foi possível eu, e o máximo que deu ali, zerei tudo o que tinha de alguma pendência. Daqui pra ali zerou tal e tal, liquidou tudo, e ele foi firme em cima, ele já tava lá, veio cobrou, tal, tal, tal, pronto acelerei o passo e tirei da frente."

Joesley cita o ex-ministro do governo Temer Geddel Vieira Lima, que caiu em meio a um escândalo envolvendo o ex-ministro da Cultura. "Geddel que andava sempre ali, mas perdemos o contato, ele virou investigado e também não posso encontrar ele."

Joesley é alvo da Polícia Federal e da Procuradoria da República A Temer ele diz que "está se defendendo".

"Negócio dos vazamentos, telefone lá, Geddel volta e meia citava alguma coisa tangenciando a nós, eu tô lá me defendendo."

E fala que está "de bem" com o ex-presidente da Câmara.

"O que eu mais ou menos dei conta de fazer até agora eu tô de bem com o Eduardo", seguiu Joesley.

"Tem que manter isso, viu?", recomendou o presidente.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias