OPERAÇÃO PATMOS

PF e MPF passaram duas horas no apartamento de Aécio no Rio

O grupo chamou um chaveiro para abrir o apartamento do presidente do PSDB, já que ninguém atendeu ao chamado

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 18/05/2017 às 9:52
Foto: Reprodução/GloboNews
O grupo chamou um chaveiro para abrir o apartamento do presidente do PSDB, já que ninguém atendeu ao chamado - FOTO: Foto: Reprodução/GloboNews
Leitura:

Policiais federais e funcionários do Ministério Público Federal (MPF) saíram às 9h20 desta quinta-feira (18), do prédio do senador Aécio Neves (PSDB) em Ipanema, bairro nobre da zona sul do Rio. Eles ficaram por cerca de duas horas no local e saíram com um malote e uma mochila do edifício.

O grupo chamou um chaveiro para abrir o apartamento do presidente do PSDB, já que ninguém atendeu ao chamado. O imóvel estaria vazio. O prédio, que tem o nome do avô de Aécio, Tancredo Neves, está em um dos endereços mais valorizados da capital fluminense. As buscas foram feitas em companhia de uma testemunha chamada no local, no caso, o funcionário de um hotel que fica ao lado do prédio.

Afastamento de Aécio

O relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, mandou afastar Aécio Neves (PSDB-MG), do mandato de senador e decidiu submeter ao plenário do Supremo o pedido de prisão do presidente do PSDB solicitado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. A irmã do parlamentar e um primo dele foram presos em Minas Gerais.

Operação Patmos

A operação que afastou o presidente do PSDB do mandato foi denominada pela Polícia Federal de Patmos. É uma referência a ilha grega na qual o apóstolo João teria recebido mensagens do apocalipse.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias