propina

Rocha Loures devolve mala com R$ 500 mil à Polícia Federal

Em vídeo, o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures recebeu a propina do diretor de Relações Institucionais da JBS, Eduardo Saud, no dia 28 de abril

Da Editoria de Política
Da Editoria de Política
Publicado em 23/05/2017 às 8:50
Divulgação
Em vídeo, o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures recebeu a propina do diretor de Relações Institucionais da JBS, Eduardo Saud, no dia 28 de abril - FOTO: Divulgação
Leitura:

Atualizada às 09h24

O deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) entregou a mala com a quantia de R$ 500 mil nesta segunda-feira (22) à noite na sede da Polícia Federal de São Paulo. O deputado afastado estava em Nova York, nos Estados Unidos para encontro com investidores e retornou ao Brasil na última sexta-feira (19). Ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Guarulhos, ele foi recebido com vaias por alguns manifestantes que pediram sua prisão. 

Um dos donos da JBS, o empresário Joesley Batista, afirmou em delação premiada ao Ministério Público Federal (MPF) que Rocha Loures atuava no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) a favor da empresa em troca de propina e teria sido indicado pelo presidente Michel Temer (PMDB) para ser seu interlocutor no governo. 

Rodrigo Rocha Loures foi flagrado em vídeo recebendo a mala com dinheiro de propina, que tinha sido entregue pelo diretor de Relações Institucionais da JBS, Eduardo Saud, no dia 28 de abril deste ano.

Prisão

O procurador-geral da República Rodrigo Janot pediu, na noite desta segunda-feira (22), a prisão de Rodrigo Rocha Loures e do senador Aécio Neves (PSDB-MG). O pedido foi encaminhado para o Supremo Tribunal Federal (STF). Os dois parlamentares já foram afastados de seus mandatos por Fachin também na última quinta-feira, quando a Polícia Federal deflagrou a Operação Patmos. 

A Procuradoria Geral da República recorre de uma decisão tomada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, que negou, na última quinta-feira (18), a prisão preventiva de Aécio e Rocha Loures. O caso agora deve ser analisado pelos 11 ministros da corte do STF.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias