jbs

Iate de Joesley Batista é levado para os Estados Unidos

Desde que firmou acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR), Joesley se mudou com a família para Nova York

Da Editoria de Política
Da Editoria de Política
Publicado em 24/05/2017 às 8:55
Foto: Divulgação
Desde que firmou acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR), Joesley se mudou com a família para Nova York - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

Um iate de propriedade do executivo da JBS, Joesley Batista, foi colocado em um navio cargueiro no Porto de Itajaí, no Estado de Santa Catarina na noite dessa quarta-feira (24) e seguiu para Miami, nos Estados Unidos. O iate “Why Not” é avaliado em cerca de 30 milhões de reais e mede 30,4 metros.

Desde que firmou acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR), Joesley se mudou com a família para Nova York.  

Áudio

O áudio da conversa entre Joesley Batista e o presidente Michel Temer (PMDB) ocorrida no início de março no Palácio do Jaburu, que gerou a abertura de inquérito contra o peemedebista no Supremo Tribunal Federal (STF) foi liberado na última sexta-feira (19). 

No encontro, o empresário narra ao presidente da República medidas que têm adotado para contornar as investigações que recaem sobre ele e a JBS, entre elas o pagamento de uma mesada a um procurador da República para obter informações privilegiadas. Joesley também pergunta ao presidente quem é o interlocutor do peemedebista e recebe de Temer a indicação do nome do deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), que também teve conversa gravada em que negocia propina. O presidente também ouve de Joesley sobre Eduardo Cunha. Após falar de acertos com o peemedebista, o empresário diz que está em bom relacionamento com Cunha. O presidente responde: "Tem que manter isso, viu?"

A defesa do presidente Michel Temer, confirmou, após reunião com o ministro Edson Fachin, relator do inquérito aberto contra o presidente no Supremo Tribunal Federal (STF), que a perícia oficial da defesa realizada na gravação da conversa do peemedebista com o empresário Joesley Batista aponta 70 "pontos de obscuridade".

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) ministra Cármen Lúcia, decidiu, no início da tarde desta segunda-feira (22), que o julgamento sobre a continuidade do inquérito contra Michel Temer no Tribunal só será realizado após a anexação do resultado da perícia na gravação da conversa entre o presidente da República e o empresário Joesley Batista. Inicialmente, o julgamento estava marcado para esta quarta-feira (24).

Últimas notícias