JUSTIÇA

Fachin divide inquérito de Temer e Aécio Neves no STF

O inquérito aberto contra Michel Temer apura a suspeita da prática de obstrução de Justiça, corrupção e organização criminosa

JC Online
JC Online
Publicado em 30/05/2017 às 15:25
Foto: Agência Brasil
O inquérito aberto contra Michel Temer apura a suspeita da prática de obstrução de Justiça, corrupção e organização criminosa - FOTO: Foto: Agência Brasil
Leitura:

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin autorizou, nesta terça-feira (30), a separação do inquérito que investiga Aécio Neves (PSDB-MG), Michel Temer (PMDB) e Rodrigo Rocha Loures (PDMB-PR). Com a divisão, o processo contra o presidente da República continua a envolver apenas Loures; enquanto outra ação investiga Neves e os parentes.

O inquérito aberto contra Michel Temer e os demais investigados, fora os familiares de Aécio, inicialmente apurava a suspeita da prática de obstrução de Justiça, corrupção e organização criminosa.

As denúncias contra todos os investigados, no entanto, derivam da delação premiada de executivos da JBS, como o dono da empresa, Joesley Batista, que gravou o presidente da República numa conversa sobre pagamento ao ex-deputado Eduardo Cunha. 

Pedido da defesa

A defesa do presidente Michel Temer pediu nessa sexta-feira (26) ao STF o desmembramento da investigação aberta a partir do acordo de delação premiada da JBS. Os advogados de Temer também solicitaram a redistribuição do caso para outro ministro, que atualmente é relatado por Edson Fachin. Loures perdeu o foro privilegiado nesta terça, após o ex-ministro Osmar Serraglio decidir voltar ao cargo de deputado federal, tirando o suplente da Casa.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias