DERROTA

Senadores rejeitam relatório favorável à reforma trabalhista

Matéria será levada agora à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde será analisada, antes de chegar ao plenário

JC Online
JC Online
Publicado em 20/06/2017 às 13:10
Foto: ABr
Matéria será levada agora à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde será analisada, antes de chegar ao plenário - FOTO: Foto: ABr
Leitura:

Por 10 votos a 9, o relatório da reforma trabalhista foi reprovado na Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS), no início da tarde desta terça-feira (20). O texto, que foi discutido durante pouco mais de 2 horas, de autoria do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), mesmo com a rejeição, seguirá agora para a última comissão, a de Constituição e Justiça (CCJ), antes de ser levado ao plenário da Casa.

Já aprovada na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), a proposta, mesmo com reprovação da maioria dos parlamentares da comissão, segue para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) onde será analisada por um novo relator e submetida a outra votação antes de chegar à fase final de tramitação no Senado, quando será votada no plenário da Casa.

Caso seja seguido o acordo entre os parlamentares da oposição e da base, a votação na CCJ deverá ocorrer nesta quarta-feira (28). Simbólica, a votação na CAS, impõe a Temer a primeira derrota após o avanço das denúncias envolvendo o presidente e o dono da JBS, Joesley Batista. Por parte dos aliados, já era esperado uma votação apertada, mas com resultado favorável ao governo.

Reforma trabalhista

Entre as mudanças na legislação trabalhista que constam no texto-base da reforma trabalhista aprovada pelo plenário da Câmara está o ponto que estabelece que nas negociações trabalhistas poderá prevalecer o acordado sobre o legislado.

A proposta prevê ainda a extinção da contribuição sindical obrigatória e a prestação de serviços de forma descontínua, podendo o funcionário trabalhar em dias e horários alternados.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias