Senado

Governo mira em senadores que votaram contra a reforma trabalhista

O primeiro movimento de retaliação foi a retirada de dois nomes indicados pelo senador Hélio José (PMDB-DF)

JC Online
JC Online
Publicado em 22/06/2017 às 8:51
Foto: ABr
O primeiro movimento de retaliação foi a retirada de dois nomes indicados pelo senador Hélio José (PMDB-DF) - FOTO: Foto: ABr
Leitura:

O Governo já mira alguns cargos após a derrota por 10 votos a 9 da Reforma Trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS), na última terça-feira (20).

O primeiro movimento de retaliação foi a retirada de dois nomes indicados pelo senador Hélio José (PMDB-DF), que pode ver outros cargos que indicou serem mapeados.

Vicente Ferreira e Francisco Nilo deixaram, respectivamente, o cargo de Diretor de Planejamento e Avaliação da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste e o cargo em comissão de Superintendente do Patrimônio da União no Distrito Federal, ambos são apadrinhados pelo senador o senador, que votou contra o texto. As demissões foram relatadas no Diário Oficial da União desta quarta (21).

Após as saídas, Hélio atacou o governo e teve o nome ventilado com uma possível expulsão do partido, mas a legenda não se debruçou nesse tema.

Além dele, os senadores Eduardo Amorim (PSDB-SE) e Otto Alencar (PSD-BA), que votaram contra a reforma, também sofrerão represália.

Monitoramento

A posição da base aliada na Comissão de Constituição e Justiça e no Plenário será monitorada pelo Planalto, com chances de acontecerem novos cortes, caso o comportamento seja semelhante ao adotado na CAS.

Inclusive, os favoráveis às mudanças da reforma na Câmara pediram que o ministro Moreira Franco aja com pulso firme contra os que foram contra o projeto.

Outro que vem sendo acompanhado de perto pelo PMDB, e também é contra a reforma, é o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), responsável por um manifesto dos parlamentares que não apoiam nem Temer, nem Lula.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias