PSDB

Aécio fechará escritório de representação política em BH, diz defesa

Em maio, o ministro Edson Fachin determinou que o tucano fosse suspenso do exercício das funções parlamentares ou de qualquer outra função pública

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 28/06/2017 às 14:32
Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil
Em maio, o ministro Edson Fachin determinou que o tucano fosse suspenso do exercício das funções parlamentares ou de qualquer outra função pública - FOTO: Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil
Leitura:

A defesa do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) informou nesta quarta-feira (28), ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o escritório de representação política do tucano, localizado em Belo Horizonte, será fechado.

"O senador Aécio Neves possui, como todos os demais senadores da República, escritório de representação política, localizado na cidade de Belo Horizonte/MG, na Rua Paraíba, nº 1000, sala 901, bairro Funcionários, CEP 30.130-141", informaram os advogados do tucano ao ministro Marco Aurélio Mello.

Suspensão determinada por Fachin

Em maio, o ministro Edson Fachin, relator da delação da JBS, determinou que o tucano fosse suspenso do exercício das funções parlamentares ou de qualquer outra função pública.

O ministro Marco Aurélio Mello se tornou no mês passado o novo relator do inquérito que investiga o senador afastado no STF com base na delação dos empresários do Grupo J&F, da empresa JBS.

"Tendo em vista a 'suspensão do exercício das funções parlamentares ou de qualquer outra função pública' determinada pelo em. ministro Edson Fachin - medida que vem sendo devida e fielmente cumprida -, bem como o corte do ressarcimento de suas despesas imposto pelo Senado Federal, o peticionário não tem alternativa, senão o fechamento de referido escritório", comunicou a defesa de Aécio.

De acordo com os advogados do tucano, o escritório será fechado em "meados de julho".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias