CRÍTICA

Procuradores dizem que Temer não tem mais condições de ficar no cargo

Após Temer classificar a denúncia de Janot de ''peça de ficção'', os dois principais procuradores da Lava Jato se manifestaram nas redes sociais

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 28/06/2017 às 14:17
Foto: Lula Marques/AGPT
Após Temer classificar a denúncia de Janot de ''peça de ficção'', os dois principais procuradores da Lava Jato se manifestaram nas redes sociais - FOTO: Foto: Lula Marques/AGPT
Leitura:

Após o discurso do presidente Michel Temer (PMDB) classificando a denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, como uma "peça de ficção", os dois principais procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba se manifestaram nas redes sociais afirmando que Temer não tem mais condições de ficar no cargo.

Depois de afirmar que o governo do presidente Michel Temer (PMDB) "sufoca" a Polícia Federal ao suspender a emissão de passaportes, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima subiu o tom das críticas ao presidente. Em seu perfil no Facebook, o investigador disse que Temer foi "leviano, inconsequente e calunioso ao insinuar recebimento de valores por parte do PGR" no pronunciamento feito na terça para se defender da denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. 

O investigador comparou Temer ao ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT), réu na Lava Jato, e disse que o peemedebista não têm mais condições de ficar no cargo. "Já vi muitas vezes a tática de 'acusar o acusador'. Lula faz isso direto conosco. Entretanto, nunca vi falta de coragem tamanha, usando de subterfúgios para dizer que não queria dizer o que quis dizer efetivamente. Isso é covardia e só mostra que não tem qualificação para continuar no cargo", escreveu Santos.

Em outra publicação na rede social, Santos afirma que o presidente é "incapaz" de se defender dos fatos" e defende que a Câmara dê o aval para a abertura do processo contra Temer no Supremo Tribunal Federal (STF). "Se Temer confia tanto na ausência de provas, que se deixe julgar pelo STF. Que a Câmara dos Deputados não se torne um sepulcro caiado", escreveu. 

Os ataques do procurador ao discurso de Temer começaram na terça-feira, logo após a fala do peemedebista. Elencando alguns itens da denúncia, Santos ironizou o discurso de Temer. "Se não há provas, então o que tem focinho de porco, orelha de porco, rabo de porco e cheira como um porco, deve ser apenas uma tomada", escreveu.

Em outro post, o procurador afirmou que "é de se envergonhar termos um acusado na Presidência da República que sequer se defende dos fatos".

Deltan Dallagnol

Também na terça, o coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF), Deltan Dallagnol, se juntou ao coro de críticas ao discurso de Temer e citou que o presidente não falou sobre o recebimento do dinheiro em uma mala por parte do seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures. 

Além disso, o procurador afirmou que a denúncia apresentada por Rodrigo Janot é "suficiente" para acusar Temer e que o País precisa de um presidente com condições morais para governar. "Hoje mesmo, o governo balança e não tem condições de concentrar suas atenções num projeto para o País. O foco é salvar a própria pele. Se queremos ter condições para o desenvolvimento da economia, o que precisamos é de um presidente revestido de condições morais para governar", escreveu.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias