ANDAMENTO

Relator da denúncia contra Temer será anunciado nesta terça-feira

Como o processo é inédito na Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), presidente da CCJ, quer tomar cuidado para não adiantar etapas

JC Online
JC Online
Publicado em 30/06/2017 às 14:11
Foto: Marcos Corrêa/ PR
Como o processo é inédito na Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), presidente da CCJ, quer tomar cuidado para não adiantar etapas - FOTO: Foto: Marcos Corrêa/ PR
Leitura:

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara (CCJ) confirmou que irá anunciar, nesta terça-feira (4), o nome do relator da denúncia contra Michel Temer na comissão. A CCJ é a primeira fase de tramitação da acusação de corrupção passiva contra o presidente na Casa, e caso aprovada, a denúncia segue para votação no plenário.

Como o processo é inédito na Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), presidente da CCJ, quer tomar cuidado para não adiantar etapas. “É um momento delicado, grave, que exige responsabilidade, isenção e independência, e esta deve ser a postura da comissão diante desse assunto”, disse à Agência Câmara Notícias

Presidente da CCJ

Pacheco tem se firmado na comissão como um político extremamente técnico. Advogado, o mineiro tem buscado uma posição independente na CCJ, cobrando inclusive pautas contrárias à base aliada, como a reforma política.

A partir da próxima sessão do Plenário, começa a contar o prazo de até dez sessões para a defesa de Temer, que, segundo interlocutores, pretende utilizar até a 4ª sessão para isso. Encerrado esse período, a CCJ terá então até cinco sessões do Plenário para concluir a análise do processo e o relator apresentar seu parecer, endossando a denúncia ou a rejeitando.

Michel Temer foi denunciado por corrupção passiva pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. A expectativa é de que, além dessa denúncia, outras duas sejam apresentadas, estratégia que pode encurralar os aliados do presidente na Câmara.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias