PGR

Janot diz que delator da JBS gravou ex-ministro Cardozo e enviou áudio ao exterior

Joesley e Saud foram convocados a prestar depoimento na semana passada após a PGR abrir investigação sobre omissão no acordo

JC Online e ABr
JC Online e ABr
Publicado em 11/09/2017 às 15:43
Foto: Agência PT
Joesley e Saud foram convocados a prestar depoimento na semana passada após a PGR abrir investigação sobre omissão no acordo - FOTO: Foto: Agência PT
Leitura:

O empresário Joesley Batista e o executivo da JBS Ricardo Saud reconheceram em depoimento prestado à Procuradoria-Geral da República (PGR) que sabem de informações e possuem novos áudios, enviados ao exterior, que não foram entregues no acordo de delação premiada, negociado com a PGR. Ricardo Saud, segundo o pgr, confirmou ter gravações que envolvem o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo (PT).

A informação está na íntegra do pedido de prisão dos investigados feito pela procuradoria ao Supremo Tribunal Federal (STF) e aceito pelo ministro Edson Fachin.

Segundo o documento da PGR, Saud contou aos procuradores sobre um jantar com Marco Aurélio Carvalho, sócio de Cardozo, na casa de Joesley Batista, no Jardim Europa, em São Paulo. Conforme Saud, Marco Aurélio lhe disse que Cardozo voltaria a advogar e que a empresa precisava de alguém da área de compliance, e que então marcaram um encontro com Cardozo na casa de Joesley.

Esse encontro foi gravado, disse o executivo. "No jantar Marco Aurélio chegou antes e disse que José Eduardo Cardozo estava muito bem, era intocável pela reputação imaculada, querendo vender os serviços; que pagava a Marco Aurélio para ter uma 'reserva de boa vontade' caso precisasse de algo, que nunca ocorreu", informou.

No entendimento do procurador-geral, Rodrigo Janot, ao que tudo indica, a omissão de fatos nos depoimentos de delação foi intencional.

"Instados a comparecer a Procuradoria-Geral da República no dia 07/09/2017, os colaboradores foram evasivos, deixaram de apresentar fatos importantes e levantaram explicações confusas. Outrossim, reconheceram que há informações e áudios não entregues”, diz Janot.

Joesley e Saud foram convocados a prestar depoimento na semana passada após a PGR abrir investigação para avaliar a omissão de informações nas negociações das delações.

Janot explicou que um áudio entregue pelos advogados da JBS narra supostos crimes que teriam sido omitidos. A gravação foi entregue, por descuido dos advogados, como uma nova etapa do acordo.

A prisão dos acusados é temporária e tem duração de cinco dias. Eles se entregaram à Polícia Federal e estão sendo transferidos para Brasília no avião da corporação.

Outro lado

O advogado de Joesley e Saud, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, divulgou uma nota afirmando que os delatores cumpriram rigorosamente tudo o que lhes era imposto ao assinarem o acordo de delação premiada.

“Não pode o Dr. Janot [Rodrigo Janot, procurador-geral da República] agir com falta de lealdade e, insinuar que o acordo de delação foi descumprido. Os clientes prestaram declarações e se colocaram sempre à disposição da Justiça. Este é mais um elemento forte que levara a descrença e a falta de credibilidade do instituto da delação”, disse o advogado, em defesa da revisão do uso do instituto de delação premiada.

 

 

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias