Denúncia

PSDB troca nomes na CCJ para votação sobre denúncia contra Temer

João Gualberto (BA) trocou de posição com Jutahy Júnior (BA). Ambos votaram pela admissão da primeira denúncia contra Temer.

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 27/09/2017 às 12:07
Foto: Lula Marques/AGPT/Fotos Públicas
João Gualberto (BA) trocou de posição com Jutahy Júnior (BA). Ambos votaram pela admissão da primeira denúncia contra Temer. - FOTO: Foto: Lula Marques/AGPT/Fotos Públicas
Leitura:

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara sofreu mais uma alteração em sua composição. O PSDB tirou o deputado João Gualberto (BA) da suplência e formalizou sua ida para a vaga de titular na comissão. Gualberto liderou a coleta de assinaturas para um dos pedidos de impeachment contra o presidente Michel Temer que aguardam despacho da presidência da Câmara.

Gualberto vai para a vaga de Jutahy Júnior (BA), que por sua vez foi para a suplência. Assim como Gualberto, Jutahy também votou a favor do prosseguimento da primeira denúncia contra Temer, ou seja, a inversão de papéis não muda a perspectiva dos votos dos tucanos no colegiado. Na primeira votação, a maioria dos sete deputados do PSDB na comissão votou pela admissibilidade da denúncia.

Jutahy alegou que não estará em Brasília durante a votação na comissão e sugeriu a indicação de Gualberto. Em ofício ao líder Ricardo Tripoli (SP), Jutahy diz que o colega de bancada "também representa a Bahia" e que eles têm "convergência de pensamento em relação ao tema".

A primeira mudança na CCJ desde que a denúncia chegou à Câmara foi nas fileiras do PTB. Nesta terça-feira, 26, o partido tirou Nelson Marquezelli (SP) da suplência e o colocou na vaga de titular. Marquezelli votou com o governo na primeira denúncia.

Tramitação

O presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), adiou para o período da tarde o anúncio da decisão sobre o desmembramento ou não da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral da República).

Devido ao adiamento da notificação dos acusados por um problema técnico com os arquivos digitais enviados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Pacheco vai esperar o encaminhamento formal do pedido da Procuradoria Geral da República (PGR) para comunicar sua decisão. O peemedebista, no entanto, sinalizou que a indicação do relator da nova denúncia, previsto para esta quarta, pode ficar para quinta-feira, dia 28.

Últimas notícias