LAVA JATO

Cunha diz que compra de seu silêncio foi 'forjada' para derrubar Temer

A fala de Cunha foi em resposta a uma pergunta do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, no âmbito dos interrogatórios da ação penal derivada da Operação Sépsis

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 06/11/2017 às 15:30
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
A fala de Cunha foi em resposta a uma pergunta do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, no âmbito dos interrogatórios da ação penal derivada da Operação Sépsis - FOTO: Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Leitura:

O ex-deputado Eduardo Cunha negou ter recebido dinheiro do empresário Joesley Batista para não fazer delação e afirmou que a suposta compra do seu silêncio foi "forjada para derrubar o mandato do presidente Michel Temer". A fala de Cunha foi em resposta a uma pergunta do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, no âmbito dos interrogatórios da ação penal derivada da Operação Sépsis.

"Deram uma forjada e Joesley foi cúmplice e agora está pagando o preço por isso", afirmou Cunha. A suposta compra do silêncio de Cunha apareceu pela primeira vez após divulgação do áudio da conversa gravada entre Temer e Joesley no Palácio do Jaburu. Em seu acordo de colaboração, Batista disse ter efetuado pagamentos para Cunha e seu operador, Lúcio Bolonha Funaro, com o objetivo de manter os dois em silêncio na prisão.

Denúncia

A informação embasou a abertura de investigação e posterior oferecimento de denúncia contra Temer pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot.

Ainda em seu depoimento, Cunha afirmou ter participado de um encontro entre Joesley Batista e Michel Temer realizado em 2012. A revelação de Cunha sobre a reunião foi no momento em que o juiz Vallisney de Souza elencava perguntas sobre possíveis irregularidades no aporte do FI-FGTS na empresa Eldorado Celulose, do grupo J&F.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias