TRABALHO ESCRAVO

Ministro nega que portaria sobre trabalho escravo afete fiscalização

Ministro defende que fiscalização deve ser feita por uma ação conjunta da sociedade

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 06/12/2017 às 10:34
Foto: Gabriela Korossy/Agência Câmara
Ministro defende que fiscalização deve ser feita por uma ação conjunta da sociedade - FOTO: Foto: Gabriela Korossy/Agência Câmara
Leitura:

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, negou nesta quarta-feira (6) que uma polêmica portaria editada em outubro prejudique a fiscalização do trabalho análogo à escravidão. Em audiência na Câmara, Nogueira defendeu que as novas regras - que geraram forte reação contrária do Ministério Público do Trabalho e setores do direito do trabalho e direitos humanos - têm como objetivo acelerar a abertura de processo criminal contra empregadores flagrados e nega que haja obstáculos à divulgação da chamada "lista suja". Segundo ele, o ministro precisa autorizar a divulgação porque a área de comunicação do Ministério do Trabalho fica sob responsabilidade do gabinete ministerial.

"O combate ao trabalho análogo à escravidão não pode ser monopólio de uma categoria, um partido ou um governo. Deve ser uma ação conjunta da sociedade", defende o ministro, ao citar que as novas regras editadas em outubro têm como um dos objetivos dar instrução ao auditor do trabalho para a elaboração dos processos administrativos. "Nossa intenção é trazer provas ao processo administrativo para abrir um processo criminal."

A portaria

A nova norma acaba com a autonomia dos fiscais do Ministério do Trabalho. Fiscais terão de atuar sempre em companhia da polícia, que deverá elaborar boletim de ocorrência. No interior, agentes policiais temem que a situação gere pressão de políticos e grandes grupos econômicos contrários à fiscalização. Por isso, há temor de que poucos policiais aceitem acompanhar fiscais do trabalho ou mesmo registrar boletins de ocorrência.

A portaria também prevê que as inspeções só serão válidas se o empregador autuado assinar o recebimento do relatório de fiscalização.

Outro ponto polêmico é o que prevê que só o ministro do Trabalho pode incluir empregadores na "lista suja do trabalho escravo". Aos deputados, Nogueira deu uma explicação operacional para o novo procedimento. "O ministro autoriza a lista porque a secretaria de comunicação é no gabinete", disse, ao comentar que cabe à comunicação social do Ministério divulgar o nome dos empregadores flagrados nessa situação. "É apenas a regulamentação daquilo que já vinha acontecendo."

Nogueira frisou que, mesmo com a edição da portaria, o Ministério do Trabalho continua realizando fiscalizações e, quando casos são descobertos, há autuação. "Nós colocamos a lista suja no ar e não fizemos qualquer questionamento judicial nas medidas tomadas pelo próprio Ministério Público", disse.

Aos parlamentares, o ministro comentou que o governo conversa com vários setores da sociedade e atualmente elabora em conjunto com a Secretaria de Inspeção do Trabalho uma norma "que aprimore aquela que foi editada". Nogueira não deu detalhes sobre a nova versão.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias