Previdência

Quatro partidos fecham questão a favor da reforma da Previdência

Os parlamentares que votarem contra a reforma podem sofrer penalidades do partido

Duda Lapenda
Duda Lapenda
Publicado em 13/12/2017 às 15:18
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Os parlamentares que votarem contra a reforma podem sofrer penalidades do partido - Marcelo Camargo/Agência Brasil
Leitura:

A Comissão Executiva do PSDB e integrantes das bancadas do partido na Câmara e no Senado decidiram nesta quarta-feira (13) fechar questão a favor da aprovação da reforma da Previdência. Além da sigla tucana, o PMDB, o PTB e o PPS também orientaram a bancada a votar a favor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/16, que modifica regras do sistema previdenciário.

Quando um partido fecha questão sobre uma votação, os parlamentares que não acompanham a decisão da executiva podem sofrer penalidades, como suspensão de atividades partidárias ou até mesmo expulsão da legenda.

O presidente do PSDB, Geraldo Alckmin, disse que o fechamento de questão deixa “claríssimo” o posicionamento do partido favorável à aprovação da reforma da Previdência. A sigla ainda não definiu se haverá punição aos parlamentares que votarem contra a reforma. Segundo Alckmin, antes de decidir se haverá punição ou não aos que não votarem conforme decisão partidária, será feito trabalho de convencimento junto aos parlamentares tucanos.

A bancada do PSDB tem 46 deputados na Câmara. Segundo o líder do partido na Casa, deputado Ricardo Tripoli (SP), o apoio à reforma da Previdência ainda não é consenso entre os parlamentares, mas está avançando. “Não temos o número exato, mas diria que ultrapassamos o número de 20 parlamentares a favor. Estamos rumando para 50% da bancada. E agora, com o fechamento de questão, alguns outros deputados se sentirão mais confortáveis para votar com o partido”, disse.

Votação

A perspectiva do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) é marcar nesta quinta-feira (14) a data de início da apreciação da reforma da Previdência pelo plenário da Casa. Para ser aprovada, a matéria precisa do apoio de pelo menos 308 votos, em dois turnos. Sem a garantia de votos suficientes pela aprovação da reforma, Maia tem resistido em marcar a data de votação. Até o momento, a previsão é de votação a partir da sessão de terça-feira (19).

“Acho que hoje a gente tem uma situação bem melhor do que tinha nas últimas semanas e ela vai continuar melhorando. Com esse crescimento chega a 308 votos”, avaliou Maia. O partido de Maia, o Democratas, também sinalizou que vai fechar questão em favor da aprovação da reforma da previdência.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias