Pauta

O dia a dia do eleitor como grande tema das eleições 2018

Segundo especialistas, corrupção não será tão debatida quanto outros temas, que afetam mais diretamente a vida da população

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 29/01/2018 às 13:51
Foto: Ricardo B. Labastier/ JC Imagem
Segundo especialistas, corrupção não será tão debatida quanto outros temas, que afetam mais diretamente a vida da população - FOTO: Foto: Ricardo B. Labastier/ JC Imagem
Leitura:

A polarização que vinha ditando o tom dos debates pré-eleitorais do País até a última semana – entre os apoiadores do ex-presidente Lula (PT) e os que defendem o nome do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) para a presidência (o primeiro aparece com 36% de intenções de votos e o segundo com 18% na última pesquisa Datafolha, publicada em dezembro de 2017) – deve perder força nos próximos meses, segundo especialistas consultados pela reportagem. A condenação do petista em 2ª instância pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro não só o enfraquece e distancia do objetivo de tornar-se presidente pela terceira vez em 2018, como também esvazia o discurso de seu até então maior oponente nas urnas, defendem os estudiosos. Como consequência, temas que têm impacto direto na vida dos brasileiros, como geração de renda e emprego, serão muito mais debatidos até outubro.

“Eu creio que em uma eleição presidencial, apesar de toda essa questão da corrupção, Lava Jato, condenação, isso está muito ligado aos dois polos, o da esquerda e o da direita. Mas, para os 60% do meio, o que decide as eleições é a questão econômica do País: emprego, desenvolvimento econômico etc. Se as pessoas estão satisfeitas com o País onde elas estão vivendo, elas tendem a votar em candidatos que representam uma continuidade de governo. Se estão insatisfeitas, vão em busca de uma mudança”, avaliou Chico Malfitani, marketeiro político e publicitário.

De modo a comprovar sua afirmação, Malfitani acrescenta que a popularidade de Lula está diretamente relacionada ao bom momento econômico vivenciado pelo Brasil quando o petista estava à frente do Palácio do Planalto. “O cidadão médio brasileiro tem a percepção de que quem está no poder sempre se beneficia de alguma maneira. Por que o Lula estava em primeiro lugar nas pesquisas? Porque as pessoas viviam melhor quando ele era presidente. Não precisa ser sociólogo para saber disso”, argumentou.

O doutor em ciências sociais e autor do livro A Cabeça do Brasileiro, Alberto Carlos Almeida, ratifica, em parte, as declarações de Malfitani. De acordo com o pesquisador, é provável que a corrupção fique em segundo plano nas discussões pré-eleições, mas a situação jurídica de Lula também deverá ser altamente debatida no período. “O mais importante na decisão do voto não é a corrupção, mas sim quem são os candidatos de governo e que candidatos estão associados ao oposicionismo. Não é que a corrupção não será tratada, mas é que o tema tem peso menor do que o bem-estar da população. Existe também a possibilidade de Lula ser preso, e isso também será tema na campanha. Os candidatos vão ter que se posicionar quanto a isso”, comentou Almeida.

Polarizações

Para o economista Jorge Jatobá, é com discursos que fujam das polarizações que os candidatos à Presidência vão conseguir se aproximar da população. “Quando Lula ganhou a eleição de 2002, ganhou caminhando ao centro, com aquela Carta ao Povo Brasileiro. Na hora em que ele deixou de radicalizar, ganhou a eleição. Qualquer que seja o governo que vá assumir, há uma agenda importante a ser cumprida, que é a das reformas. Portanto, nenhum candidato pode evadir-se de colocar essa questão como algo que tem que ser discutido e implementado para tirar o Brasil de um cenário de crise”, cravou.

Ainda segundo Jatobá, furtar-se de entrar nesta discussão pode trazer consequências severas para o País, com a possibilidade, inclusive, da sua economia mais uma vez entrar em recessão. “Se o candidato que ganhar a eleição tiver a intenção de ignorar essa agenda vai afundar o Brasil em um abismo. O endividamento será crescente, o País perderá credibilidade, haverá aumento de juros, com juros mais altos virá a alta da inflação e se desencadeará um processo semelhante ao de 2014, que culminou em uma recessão. É de interesse da população que essas questões sejam debatidas”, finalizou o economista.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias