CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

Temer defende direito classe política indicar dirigentes para estatais

Temer evitou comparar situação da Caixa Econômica com os esquemas de corrupção que aconteceu na Petrobras

Túlio Feitosa
Túlio Feitosa
Publicado em 29/01/2018 às 11:35
Foto: Agência Brasil
Temer evitou comparar situação da Caixa Econômica com os esquemas de corrupção que aconteceu na Petrobras - FOTO: Foto: Agência Brasil
Leitura:

O presidente da República, Michel Temer, defendeu o direito da classe política de indicar dirigentes para estatais, apesar da polêmica em torno da investigação de vice-presidentes da Caixa Econômica Federal.

Recentemente, o presidente decidiu afastar quatro executivos da estatal após recomendação do Ministério Público Federal, que tem como base suspeitas de corrupção investigadas pelo MPF e pela Polícia Federal. Alguns desses vice-presidentes eram ligados à lideranças partidárias.

Ainda assim, Temer evitou comparação com a situação na Petrobras, estatal que foi alvo de esquema de corrupção nos governos petistas. "Situação da Caixa não estava tão dramática quanto a da Petrobras", disse. "A classe política foi eleita pelo voto, tem o direito de indicar dirigentes para estatais. Agora cabe ao governo escolher se aceita a indicação."

Temer lembrou ainda que foi o presidente que sancionou a Lei das Estatais, "buscando moralidade administrativa", que estabelece regras mais rígidas para nomeação de diretores nas empresas brasileiras. As afirmações foram feitas em entrevista ao vivo, concedida pelo presidente ao programa Jornal Gente, da Rádio Bandeirantes em São Paulo.

Desmatamento

O presidente também rebateu críticas sobre a questão do desmatamento durante seu governo. Ele defendeu que ambientalistas precisam "saudar" sua gestão. "Neste último ano, o desmatamento reduziu 16%. Ao longo do tempo, aumentos as reservas (florestais)", argumentou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias