Vereadora assassinada

Temer fala em 'covardia'e diz que vai acompanhar investigação de morte de Marielle

Em nota, o presidente da República afirmou que vai acompanhar apuração do assassinato e lembrou que a PF está à disposição para auxiliar nas investigações

Estadão Conteúdo Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 15/03/2018 às 9:44
Foto: ABr
Em nota, o presidente da República afirmou que vai acompanhar apuração do assassinato e lembrou que a PF está à disposição para auxiliar nas investigações - FOTO: Foto: ABr
Leitura:

A Presidência da República divulgou nota à imprensa para informar que "o governo federal acompanhará toda a apuração do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista que a acompanhava na noite desta quarta-feira, no Rio de Janeiro".No Twitter, o presidente classificou o assassinato como sendo de "extrema covardia".

O documento também diz que o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, falou com o interventor federal no Estado, general Walter Braga Netto, e colocou a Polícia Federal à disposição para auxiliar na investigação.

Marielle

A vereadora, de 38 anos e que era filiada ao PSOL, foi morta a tiros na noite desta quarta dentro do carro em que seguia para casa. O ataque à Marielle ocorreu na Rua Joaquim Palhares, no centro do Rio. Ela voltava de um evento na Lapa, na mesma região, quando foi atingida. O homem que dirigia o carro que levava a vereadora também morreu baleado.

Marielle ficou conhecida como militante do movimento negro e de direitos humanos, com denúncias recentes de violência policial contra moradores de favelas no Rio.

Até à 1h desta quinta-feira, a polícia não tinha esclarecido as circunstâncias do crime. Houve ao menos nove disparos e os criminosos conseguiriam fugir, sem levar nada.

O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) disse no final da noite desta quarta que o crime contra a vereadora tem "características nítidas" de execução e pediu investigação minuciosa do caso.

Últimas notícias