Prisão

Moro veta visitas de políticos e autoridades a Lula

Requerimento pedia autorização judicial para a visita de 11 governadores, incluindo Paulo Câmara, e outros políticos a Lula nesta terça-feira (10)

Editoria de Política
Editoria de Política
Publicado em 10/04/2018 às 11:07
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil
Requerimento pedia autorização judicial para a visita de 11 governadores, incluindo Paulo Câmara, e outros políticos a Lula nesta terça-feira (10) - FOTO: Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil
Leitura:

Atualizada às 11h31

O juiz Sérgio Moro, responsável pelos julgamentos da Operação Lava Jato em 1ª instância, decidiu que o ex-presidente Lula não terá esquema de visitações diferenciado. Ele está preso desde o último sábado (7) na sede da Polícia Federal em Curitiba, onde começou a cumprir a pena de 12 anos e 1 mês de prisão pelos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro na ação penal do triplex. Segundo a assessoria da 13ª Vara Federal em Curitiba, ele só poderá receber a visita de advogados e a partir desta quarta-feira (11), familiares, assim como os demais presos na carceragem tem visitas todas as quartas. A decisão de Moro vem no mesmo dia em que estava programada uma visita de 11 governadores a Lula, prevista para as 15h desta terça-feira (10). 

“Nenhum outro privilégio foi concedido, inclusive sem privilégios quanto a visitações, aplicando-se o regime geral de visitas da carceragem da Polícia Federal, a fim de não inviabilizar o adequado funcionamento da repartição pública”, diz trecho do despacho. Moto também afirma que a medida não justificará a concessão de privilégios aos outros condenados. 

O senador Roberto Requião (MDB-PR) entrou com um requerimento nesta segunda-feira (9) pedindo uma autorização judicial para que Lula recebesse uma série de autoridades nesta terça (10) às 14h ou em qualquer outro horário da tarde. A lista inclui o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB); Tião Viana (PT; Acre); Renan Filho (MDB; Alagoas); Rui Costa (PT; Bahia); Camilo Santana (PT; Ceará); Flávio Dino (PCdoC; Maranhão); Fernando Pimentel (PT; Minas Gerais); Ricardo Coutinho (PSB; Paraíba); Wellington Dias (PT; Piauí); Robinson Faria (PSD; Rio Grande do Norte); Belivaldo Chagas (PSD; Sergipe). Além dos governadores, estão os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ) e Gleisi Hoffman (PT-PR), o vice-presidente do PT, Mario Costa Macedo e o ex-deputado federal Angelo Vanhoni.

Atualmente, as famílias das pessoas presas na sede da PF, em Curitiba, fazem as visitas em todas as quartas-feiras simultaneamente no mesmo espaço. Gleisi HoffA presidente nacional do PT foi indicada por Lula para ser a porta-voz dos assuntos do partido enquanto ele estiver na cadeia. 

Depois de visitar Lula na carceragem no último domingo (8), o advogado de ex-presidente Cristiano Zanin afirmou em um vídeo divulgado no Facebook depois da visita que ele "está bem, embora indignado com a situação". 

Cela especial

Em despacho desta segunda (9), o magistrado lembrou que autorizou a disponibilização de um aparelho de televisão com sinal aberto na cela especial onde o petista está detido. Trata-se de sala de 15 metros que era usada anteriormente por policiais de outras cidades que iam até Curitiba participar de Operações, adaptada para recebê-lo. Não há câmeras no interior da cela e sim, apenas no corredor. 

No quarto andar do prédio, a 'sala de Estado-maior' exigida por Moro para guardar Lula em razão da 'dignidade do cargo que ocupou' é despojada, mas com banheiro próprio, com pia, vaso sanitário e chuveiro quente. As janelas, pequenas e de vidro, com grades de segurança doméstica. No dormitório, como é tratado o cárcere de Lula por policiais, há uma cama, com um colchão e um armário embutido.

Últimas notícias