RECURSO

Cármen Lúcia retoma julgamento de recurso de Maluf

Paulo Maluf foi condenado a sete anos e nove meses de prisão por lavagem de dinheiro. Caso aceito, o recurso pode reformar a pena

Julia Aguilera
Julia Aguilera
Publicado em 19/04/2018 às 15:56
Foto: ABr
Paulo Maluf foi condenado a sete anos e nove meses de prisão por lavagem de dinheiro. Caso aceito, o recurso pode reformar a pena - FOTO: Foto: ABr
Leitura:

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, iniciou nesta tarde a sessão plenária desta quinta-feira (19) com a retomada do julgamento sobre o cabimento ou não de embargos infringentes (um tipo de recurso que pode reformar a sentença) do deputado federal afastado Paulo Maluf (PP-SP).

Desde essa quarta-feira (18) até o início da sessão desta quinta oito ministros já se posicionaram sobre o pedido, somando quatro votos contrários ao cabimento do recurso de Maluf - Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Luz - e quatro favoráveis - Dias Toffoli, Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes - ao parlamentar.

O ministro Marco Aurélio Mello foi o primeiro a votar nesta tarde. Devem ainda votar nessa sessão os ministros Celso de Mello e Cármen. A Corte julga se, antes da prisão do deputado, ele teria direito a ter os embargos infringentes contra sua condenação analisados.

Relator da ação penal de Maluf, o ministro Edson Fachin, em dezembro, negou de forma individual a estes embargos e mandou executar a pena de 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão em regime fechado. O julgamento que condenou o parlamentar pelo crime de lavagem de dinheiro ocorreu em maio de 2017, pela Primeira Turma do STF.

Defesa

Para o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, a discussão envolvendo o cabimento de embargos infringentes de Maluf não está diretamente associada aos desdobramentos da Operação Lava Jato. "Temos que parar de achar que só existe a Lava Jato no Brasil. O setor de marketing da Lava Jato é que fez essa história. Maluf não tem nada a ver com Lava Jato. O crime pelo qual foi condenado e que queremos reverter no plenário é de 18 anos atrás", disse Kakay.

Para o advogado de Maluf, colocar todas as questões jurídicas importantes do país "como se fossem de alguma forma influenciar na Lava Jato é uma falta de visão do que é o processo penal". "O Brasil existe fora da Lava Jato, que é importantíssima, mas nós que fazemos críticas dos excessos passamos a ser vistos como quem é contra a investigação da corrupção, o que é absolutamente inverdade", completou Kakay.

Penas

Na última quarta-feira, o STF formou maioria para permitir que políticos condenados pela Primeira e Segunda Turmas da Corte possam entrar com embargos infringentes, caso os julgamentos não tenham resultado unânime. Na prática, isso pode prolongar a tramitação de ações penais contra parlamentares e até postergar o início do cumprimento de penas.

O entendimento pode beneficiar políticos na mira da Operação Lava Jato que já se tornaram réus perante o STF, como os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Romero Jucá (MDB-RR). Segundo ministros e auxiliares do STF, os embargos poderiam ser levados ao plenário, mas a questão ainda está em aberto e deve ser definida hoje em nova sessão plenária

A controvérsia se deve ao fato de o regimento interno do STF prever que, nos casos julgados pelos 11 integrantes da Corte em plenário, são necessários pelo menos quatro votos favoráveis ao réu para que esse recurso seja cabível. No entanto, não há uma previsão regimental sobre os processos apreciados pelas Turmas (composta por cinco membros cada), que são responsáveis por julgar as ações penais contra deputados federais, senadores e ministros, por exemplo.

 

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias