Petista

No Instagram, Haddad ironiza 'sumiço' de assessor de Flávio Bolsonaro

"Estou pensando em pedir emprestado pro Queiroz, mas ele tá sumido", respondeu ao ser questionado como pagaria a indenização ao bispo Edir Macedo

Marina Costa
Marina Costa
Publicado em 14/12/2018 às 6:16
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
"Estou pensando em pedir emprestado pro Queiroz, mas ele tá sumido", respondeu ao ser questionado como pagaria a indenização ao bispo Edir Macedo - FOTO: Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Leitura:

O candidato derrotado à Presidência da República pelo PT, Fernando Haddad, tratou com ironia o fato de um ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) ainda não ter se pronunciado sobre "movimentações atípicas" de R$ 1,2 milhão em sua conta corrente detectadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), uma semana após o jornal O Estado de S.Paulo revelar o caso. Fabrício Queiroz só deverá dar explicações sobre o caso na semana que vem, quando deverá prestar depoimento ao Ministério Público do Rio.

Comentário

Em seu perfil no Instagram, Haddad foi questionado por um homem que se apresenta como tiago_caetano86 como faria para pagar a indenização de R$ 79,2 mil ao bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, por tê-lo chamado de "charlatão" durante a campanha - a decisão contra o petista foi proferida nessa quarta-feira (12), pelo juiz Marco Antonio Botto Muscari, da 6° Vara Cível da capital paulista. O homem ainda questionou se Haddad pediria "doações aos pobres" para quitar a dívida, já que "não trabalha".

Haddad respondeu: "Estou pensando em pedir emprestado pro Queiroz, mas ele tá sumido...". Em entrevista ao jornal Valor Econômico, publicada nessa quarta, o petista sugeriu que Flávio Bolsonaro usou o "gabinete para fazer vaquinha para si mesmo", o que considera "um expediente muito comum no baixo clero".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias