PROJETO

Bolsonaro e Moro falam sobre pacote anticrime em transmissão no Facebook

De acordo com o ministro da Justiça, na próxima semana haverá uma reunião com os relatores da proposta na Câmara dos Deputados e no Senado

Rute Arruda
Rute Arruda
Publicado em 04/04/2019 às 21:52
Foto: Reprodução de vídeo
De acordo com o ministro da Justiça, na próxima semana haverá uma reunião com os relatores da proposta na Câmara dos Deputados e no Senado - FOTO: Foto: Reprodução de vídeo
Leitura:

Ao falar sobre o pacote anticrime idealizado pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, o presidente Jair Bolsonaro aproveitou para fazer mais um gesto conciliatório em relação ao Congresso. Durante transmissão ao vivo no Facebook, Bolsonaro falou que "quem define a pauta na Câmara e no Senado são, respectivamente, Rodrigo Maia (presidente da Câmara) e Davi Alcolumbre (presidente do Senado)". Segundo Bolsonaro, não há objeção por parte dos dois em relação ao projeto, que, nas últimas semanas, chegou a ser foco de desgaste entre o governo e o presidente da Câmara.

Na 'live' transmitida em rede social, Sergio Moro acompanhou o presidente e disse que tem conversado muito com parlamentares e ido com frequência ao Congresso. Na próxima semana, Moro afirmou que vai se reunir com os relatores da proposta na Câmara e no Senado. "Sinto uma grande receptividade, projetos estão andando", declarou o ministro.

Ele afirmou que a expectativa é que o projeto seja votado após o término dos trabalho do comitê de estudo instituído na Câmara para unificar projeto apresentado pelo governo Bolsonaro com outro semelhante apresentado pelo então ministro da Justiça Alexandre de Moraes, atualmente ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). "A expectativa é que seja votado em breve tão logo o grupo encerre os trabalhos", disse Moro. O Senado também analisa o texto paralelamente para adiantar a discussão e acelerar a tramitação.

"O que sinto dos parlamentares é receptividade. Com a liderança do senhor e dos parlamentares vamos conseguir deliberar sobre esse projeto e deliberá-lo em tempo breve", disse Moro no vídeo.

Twitter

Após criar uma conta oficial no Twitter, o ministro da Justiça, Sergio Moro, disse que seguiu o exemplo do presidente Jair Bolsonaro. Em tom bem humorado, falou que "se der errado a culpa é dele (Bolsonaro)". "Acabei lançando Twitter pessoal, seguindo exemplo do presidente, se der errado a culpa é dele, já vou avisar", afirmou, rindo. "A ideia é comunicar de forma moderna nas redes sociais e transmitir projetos e ideias do Ministério da Justiça e Segurança Pública. É mais uma forma de divulgar políticas públicas do que questões sociais", disse o ministro.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias