Aliança pelo Brasil

Partido de Bolsonaro, Aliança pelo Brasil alcança assinaturas necessárias

Para ser criado, o partido de Jair Bolsonaro precisava de 492 mil assinaturas

Ana Gabriela Lima
Ana Gabriela Lima
Publicado em 17/02/2020 às 8:40
Notícia
Reprodução/Twitter
Para ser criado, o partido de Jair Bolsonaro precisava de 492 mil assinaturas - FOTO: Reprodução/Twitter
Leitura:

Atualizada às 13h31

O partido do presidente Jair Bolsonaro, Aliança pelo Brasil, alcançou o número necessário de assinaturas para poder ser criado oficialmente. Segundo informações da assessoria do Coronel Meira, Coordenador Geral do Aliança pelo Brasil em Pernambuco, mais de 500 mil assinaturas já foram recolhidas. O recolhimento de assinaturas começou no fim do dezembro de 2019.

A advogada do partido Aliança pelo Brasil, Karina Kufa, acredita que o partido já tem fichas suficientes, mas orientou os apoiadores do partido para que não parem o apoiamento por causa da meta alcançada. De acordo com ela, muitas fichas que não foram preenchidas corretamente podem ser invalidadas, ou seja, o número de assinaturas que o organização do partido tem ainda pode mudar.

Coronel Meira confirmou ao JC que a meta de assinaturas foi alcançada e informou que o partido Aliança pelo Brasil deve publicar uma nota oficial ainda nesta segunda-feira (17).

>> Leia o manifesto do novo partido de Bolsonaro

>> Gilson Machado e coronel Meira assinam criação da Associação Aliança pelo Brasil de Pernambuco

>> Aliança pelo Brasil aposta em megaevento no Recife para catapultar partido de Bolsonaro

Para ser criado, o partido precisava de 492 mil assinaturas no Brasil, o que representa 0,5% dos votos válidos do eleitorado brasileiro na última eleição para a Câmara dos Deputados. Para ser instituído, é necessário ter apoiadores em ao menos nove Estados, com um mínimo de 0,1% do eleitorado destas unidades da federação.

Partido pronto para as eleições

No início do mês, o filho do presidente, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), defendeu que o Aliança pelo Brasil só comece a disputar as eleições apenas em 2022. Eduardo argumentou que o partido não pode cometer o mesmo erro do PSL, de aceitar pessoas sem “nenhum tipo de filtro”.

A ideia era de que o partido estivesse devidamente criado ainda em 2020 para poder concorrer nas eleições municipais.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias