Frente Rachada

PSB de Eduardo avalia fechar chapa com o PTB de Armando na vice

Governador quer anunciar palanque socialista até a quinta (21), após conversa com Lula. Chapa pode unir PSB e PTB: Geraldo Júlio e Antônio Luiz Neto

Sheila Borges
Sheila Borges
Publicado em 19/06/2012 às 0:50
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Governador quer anunciar palanque socialista até a quinta (21), após conversa com Lula. Chapa pode unir PSB e PTB: Geraldo Júlio e Antônio Luiz Neto - FOTO: Foto: Guga Matos/JC Imagem
Leitura:

Para não alimentar ainda mais o clima de “insegurança política” entre os partidos da Frente Popular, o governador Eduardo Campos (PSB) decidiu que só embarcará para os Estados Unidos – onde receberá um prêmio em Nova Iorque – no domingo (24), após resolver o imbróglio da sucessão do Recife.

Até a quinta (21), o governador espera definir – após conversa com o ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva (PT) – o candidato socialista. Os nomes mais cotados são os ex-secretários Geraldo Júlio e Danilo Cabral. O primeiro tem ganhado força em função de seu perfil mais “gerentão”. Como é um profundo conhecer do modelo de gestão de Eduardo no Estado, teria todas as condições para replicá-lo se chegar à Prefeitura do Recife, na avaliação dos socialistas.

Na bolsa de cotações da chapa do PSB, especulou-se ontem que Geraldo Júlio deve ser confirmado candidato e ter como vice o vereador Antonio Luiz Neto, do PTB do senador Armando Monteiro Neto. O perfil mais político do petebista contribuiria para equilibrar a imagem pública da dobradinha da Frente Popular.

Luiz Neto tem voto e popularidade, exerce o quinto mandato na Câmara do Recife, sempre com votações expressivas. Além do mais, é de família forjada na política. Seu pai, Antonio Luiz Filho, foi vereador do Recife e deputado estadual. O vereador está em uma fase positiva. Como presidente do Santa Cruz, conseguiu conquistar dois títulos pernambucanos e tirar o time da Série D do campeonato nacional.

A entrada de Antonio Luiz Neto também “renovaria” a aliança de Eduardo com Armando Monteiro - os dois viveram atritos desde a polêmica emenda da reeleição do presidente da Assembleia Legislativa, Guilherme Uchoa (PDT), com Eduardo apoiando e o PTB votando contra.

Nos bastidores, já está quase tudo definido. Falta apenas a conversa final entre Eduardo e Lula. O ex-presidente ficou de ligar hoje para o governador. O PT não abre mão de lançar o senador Humberto Costa, após abortar o projeto de reeleição do prefeito João da Costa. Os socialistas acreditam que Lula entenderá as razões que fizeram Eduardo tomar para si a condução da sucessão, já que o PT tem dificuldades para conseguir a unidade interna. A maioria das legendas da Frente está com Eduardo.

Leia mais na edição do Jornal do Commercio 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias