Grande Recife

Cúpula do PSB acha que seria "desperdício" Heraldo Selva ficar em Jaboatão

Opinião foi expressada pelo presidente estadual do partido, Sileno Guedes

Ciro Carlos Rocha
Ciro Carlos Rocha
Publicado em 18/01/2013 às 7:15
Leitura:

A cúpula do PSB encara com normalidade o fato de se mudar a Lei Orgânica de Jaboatão dos Guararapes para viabilizar a ida, sem renúncia ao cargo, do vice-prefeito da cidade, agora licenciado, Heraldo Selva (PSB) para o comando da Empresa de Urbanização do Recife (URB). Nas palavras do presidente estadual da sigla, Sileno Guedes, Heraldo é um quadro que está à disposição do partido.

“Na opinião do partido, pelas características técnicas, pelo quadro que Heraldo é, pelo que ele pode colaborar no Recife, (ficar na vice-prefeitura) é desperdiça-lo, é fazer pouco uso da capacidade que ele tem”, afirmou Sileno, também secretário do Recife de Articulação Social e Regional.

Embora afastando de si o dever de se posicionar sobre o assunto, o governador Eduardo Campos, presidente nacional do PSB, disse que a vice-prefeitura não é um cargo, mas uma função que só é exercida eventualmente. “É na ausência do titular que ele ocupa a função executiva. Na presença do titular, ele não tem função a exercer”, argumentou.

Campos também enalteceu a capacidade técnica de Heraldo, que foi secretário de Habitação do ex-prefeito João da Costa (PT). “É um engenheiro de talento. Sabe liderar uma equipe”, adjetivou.

“É comum um vereador sair para ser secretário municipal. É comum esse movimento. Ele (Heraldo) não deixa de ser vice-prefeito. Tem um mandato. Se precisar que ele volte à prefeitura (de Jaboatão), ele volta”, resumiu Sileno. Nos bastidores “palacianos”, o assunto é tratado como “menor” e ainda se comenta que a ida de Heraldo para a Prefeitura do Recife representa “economia” aos cofres públicos de Jaboatão, uma vez que a cadeira de vice-prefeito ficará ausente.

 

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias