Campanha

Geraldo é alvo durante debate

Durante encontro no Sindifisco, Humberto Costa centra discurso nas críticas ao candidato do PSB à PCR

Márcio Didier
Márcio Didier
Publicado em 07/09/2012 às 6:36
Leitura:

Diante de uma plateia esvaziada, os candidatos Humberto Costa (PT) e Mendonça Filho (DEM) aproveitaram a ausência dos demais concorrentes no debate promovido, nessa quinta-feira, pelo Sindifisco, para exercitar a polarização DEM versus PT. Não esqueceram, porém, de direcionar críticas ao adversário do PSB, Geraldo Julio, que ocupa a primeira colocação nas recentes pesquisas de intenção de voto e foi alvo, principalmente, do candidato petista.

Ao mesmo tempo em que defendia o legado das administrações do PT, comparando com a gestão de Roberto Magalhães (DEM), Humberto procurou mirar em Geraldo Julio. Disse, por exemplo, “jamais” ter visto um “abuso de poder econômico” como o que, segundo ele, está sendo cometido pela campanha socialista. “Faz tempo que não vejo uma campanha casada como essa. Quando o governo fala na propaganda de UPA, o candidato vem e fala de Upinha. É correto usar a estrutura de governo para favorecer o candidato?”, questionou.

Nas considerações finais, Humberto - antes, primeiro colocado nas pesquisas – fez um apelo para que haja um segundo turno e seja garantido o “confronto de ideias”. Frisou também que a cidade vive um “momento crucial” e combateu a pecha de gestor atribuída a Geraldo. “Precisamos pensar qual o prefeito que a cidade precisa. O Recife precisa de alguém que tenha responsabilidade social e experiência política. Como um desconhecido, que não sabe nem onde é a porta dos ministérios vai conseguir recursos em Brasília? Vai depender do governador? É preciso um prefeito que tenha autonomia”, disse.

Em seguida, ele rechaçou a comparação que tem sido feita entre o socialista e a presidente Dilma (PT). Disse que Dilma foi militante política, combateu a ditadura e ocupou secretariais estaduais e municipais, além de dois ministérios. “Não dá para comparar com quem só apareceu agora. Vamos votar nele só porque alguém está pedindo?”, indagou.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias