CAMPANHA

Geraldo evita falar da relação PSB/PT

Prefeiturável prefere não entrar em temas polêmicos, mas aliados seus avaliam que ao PT, diante do acirramento na campanha, só resta a oposição

Gilvan Oliveira
Gilvan Oliveira
Publicado em 04/10/2012 às 6:32
Leitura:

Os sucessivos ataques do PT ao candidato socialista à sucessão do Recife, Geraldo Julio, na reta final da campanha poderão custas caro à relação entre os partidos no Estado. Palacianos garantem que não apenas a cúpula do PSB como a própria Frente Popular não estariam nada contentes com o tom utilizado pelo grupo do petista Humberto Costa a ponto de cogitarem como saída para o PT – em caso de vitória socialista nas urnas – a oposição. Mas, pelo menos oficialmente, o assunto não vem sendo tratado, já que o PT detém a Presidência da República e dispõe de força e espaço na política nacional.

O próprio Geraldo tem pregado a cautela para abordar o tema. Nessa quarta-feira (3), após uma carreata que percorreu aproximadamente 12 quilômetros nos bairros de Afogados, Mustardinha, Mangueira e San Martin, o postulante evitou comentar o clima de guerra no PT. “Quem tem que saber como está o clima no PT são eles, não eu. Vocês (Imprensa) estão noticiando. Eu não gostaria de falar sobre esse ponto. Estamos disputando uma eleição e trabalhando muito. Eles se posicionam na campanha deles, e nós nos posicionamos na nossa. Vamos discutir o restante depois”, despistou.

Leia mais na edição desta quinta-feira do Jornal do Commercio.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias