neo-petista

Marília Arraes entra no PT com filiação abonada por Lula

Oficialmente, no entanto, a filiação acontecerá na próxima quinta-feira (3), às 18h30, na Câmara de Vereadores do Recife

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 28/02/2016 às 13:15
Foto: Reprodução/Facebook
Oficialmente, no entanto, a filiação acontecerá na próxima quinta-feira (3), às 18h30, na Câmara de Vereadores do Recife - FOTO: Foto: Reprodução/Facebook
Leitura:

 

A vereadora do Recife Marília Arraes deixou finalmente o PSB, após quase dois anos de críticas aos socialistas e de postura oposicionista na Câmara dos Vereadores, e se filiou ao Partido dos Trabalhadores (PT) neste sábado(27), durante a festa pelo aniversário de 36 anos dos petistas. Marília teve a ficha de filiação, inclusive, abonada pelo ex-presidente Lula, que chegou no fim da festividade e recebeu apoio das principais lideranças da legenda.

“Como sempre crescendo na adversidade, com a ficha abonada pelo homem que mudou o Brasil”, disse Marília em foto ao lado de Lula, na descrição de uma foto postada na conta do Instagram dela.

Oficialmente, no entanto, a filiação acontecerá na próxima quinta-feira (3), às 18h30, na Câmara de Vereadores do Recife. Entre os presentes, de acordo com o Blog de Jamildo, devem estar o senador Humberto Costa e o ex-prefeito do Recife e atual superintendente da Sudene, João Paulo, que deve contar com o apoio de Marília para disputar a Prefeitura da capital pernambucana neste ano. Nos bastidores, o que se comenta é que se João Paulo, após ter perdido duas eleições seguidas - para vice-prefeito em 2012 e senador em 2014 - não quiser ser, ou não for por outro motivo o candidato petista, seria Marília a indicada.

ROMPIMENTO

Ela, no começo da gestão do prefeito do Recife Geraldo Julio(PSB), apoiava o governo socialista , ocupando o cargo de Secretária de Juventude e Qualificação Profissional. A mudança veio em 2014. Quando ela não recebeu apoio do ex-governador Eduardo Campos(PSB), seu primo, para se candidatar à deputada federal.

Desde então ela vem provocando dores de cabeça na liderança socialista, tendo apoiado em 2014 o nome da presidente Dilma, que disputava a reeleição, e o candidato a governador Armando Monteiro(PTB), que disputava contra o candidato indicado pelo seu primo, o hoje governador Paulo Câmara(PSB).

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias