JANELA PARTIDÁRIA

Em Pernambuco, 15 deputados e nove vereadores aproveitaram troca-troca partidário

Brecha na legislação que permite mudança sem prejuízo ao mandato se encerrou na última sexta-feira (18)

Edson Mota e Marcela Balbino
Edson Mota e Marcela Balbino
Publicado em 19/03/2016 às 14:40
Leitura:

Cerradas as “janelas da infidelidade” – emenda aprovada ano passado que permite aos políticos mudarem de partido sem sofrer sanções – o troca-troca partidário atingiu todas as esferas legislativas, da Câmara dos Deputados à dos Vereadores. Na Assembleia Legislativa (Alepe) houve recorde na quantidade de mudanças. Dez parlamentares deixaram as siglas de origem. O caso do deputado federal Adalberto Cavalcanti foi o mais curioso. Ele mudou três vezes de legenda e acabou voltando para a de origem, o PTB.

Infográfico

Janela partidária mudanças

Na Alepe, pelo menos três deputados saíram com claras aspirações para disputa majoritária. A mais recente foi a de Raquel Lyra que deixou o PSB para embarcar no PSDB. Os socialistas não viabilizaram a candidatura dela à Prefeitura de Caruaru. O deputado Silvio Costa Filho não alardeou sua mudança do PTB para o PRB e justificou o ato como estratégia para ampliar a base de oposição ao prefeito Geraldo Julio no Recife. O deputado é pré-candidato. Joel da Harpa deixou o PROS para embarcar no PTN. Ele saiu com a promessa feita pelo ministro Armando Monteiro Neto de lançar candidatura à Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes.

Na Câmara do Recife, a dança das cadeiras começou desde o início da janela. Um dos nomes mais cogitados para a mudança, a vereadora Marília Arraes, confirmou as suspeitas e deixou o PSB pelo PT. O vereador Erivaldo da Silva, mais conhecido como Eri, era do PTC e rumou para o PTdoB, que faz oposição à gestão do prefeito Geraldo Julio (PSB). No entanto, um dia após a mudança, foi para o PSD, voltando para a base do socialista. O vereador, questionado, afirmou que houve um mal-entendido. “Quando Silvio Costa assumiu o partido, fiquei em dúvida se valeria a pena continuar ali. E então fiz minha decisão”, conta.

Já o vereador Luiz Eustáquio, eleito pelo PT, saiu da Rede e, no apagar das luzes, migrou para o PSB. A saída é atribuída à repercussão negativa de um projeto de sua autoria sobre a retirada de livros didáticos das escolas do Recife que tratam de identidade de gênero. Com a chegada de Eustáquio, o PSB passa a ter o maior número de vereadores na Casa.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias