eleições 2016

João Paulo nega que esteja saindo do PT

Ex-prefeito nega que esteja procurando outra legenda após derrota nas urnas

Mariana Araújo
Mariana Araújo
Publicado em 01/11/2016 às 6:48
Foto: Ashley Mello/JC Imagem
Ex-prefeito nega que esteja procurando outra legenda após derrota nas urnas - FOTO: Foto: Ashley Mello/JC Imagem
Leitura:

Um dia após o resultado eleitoral, o ex-prefeito João Paulo (PT) passou a segunda-feira (31) com familiares, comemorando seu aniversário, celebrado ontem. Mas o resultado da eleição ainda ecoou. Ao longo do dia, foi especulado que João Paulo poderia deixar o PT para retomar as disputas políticas. O petista tratou o assunto como especulação e negou que esteja saindo do PT. “Não tem isso. Não ouvi nem falar disso. Não tem nenhuma discussão partidária”, disse.

“Terminei a eleição agora e vou voltar a minha vida normal, concluir meu trabalho da pós, que estou concluindo sobre trabalhador do jogo do bicho. Também vou voltar para as aulas de inglês”, acrescentou. Economista, João Paulo está concluindo uma pós-graduação em Direito e Processo do Trabalho.

Na opinião do cientista político Elton Gomes, apesar de João Paulo ter sofrido diretamente as consequências das operações de combate à corrupção, como a Lava Jato, e o impacto do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), não há motivos para ele deixar o PT. “Alguns atores políticos são profundamente identificados com as suas legendas. “Ele é um petista histórico, de base muito tradicional dentro do partido. Seria mais difícil para um petista com essas características se desvencilhar da imagem do seu partido, ainda que ele tenha um prestígio pessoal, do que um petista de base mais contemporânea, urbana, dessa nova esquerda comportamental. O que não é o caso dele”, avalia.

“Ele vai procurar analisar o tamanho do impacto do golpe que o PT sofreu e pode ou não vir a continuar sofrendo em 2018. Se a situação piorar demais, não só ele como outros petistas podem se desfiliar e entrar em novas legendas”, analisa Elton Gomes.

REUNIÃO

O próximo compromisso político de João Paulo será participar de uma reunião da Executiva nacional do PT nos dias 10 e 11 deste mês, em São Paulo. “Vamos fazer balanço do resultado eleitoral no âmbito nacional e vai tirar as diretrizes para o futuro do partido”, disse. No domingo, após o resultado da eleição, o ex-prefeito afirmou na coletiva de imprensa que o PT estava “tranquilo com os resultados eleitorais”.

O PT perdeu quase 60% das prefeituras que administrava no Brasil. De 638 prefeitos eleitos em 2012, o partido garantiu apenas 256 vitórias nas urnas. Em Pernambuco, o comando petista caiu de 13 prefeituras para sete neste pleito.

A diminuição da legenda deve ser aproveitada para fazer uma reavaliação, analisa o cientista político Thales Castro. “O PT tem que se reinventar por completo, com relação às lideranças, ao discurso, à abordagem de comunicação social, às plataformas políticas. Tem que fazer uma autocrítica muito profunda. Se não, num médio prazo, daqui a duas ou três eleições, o PT corre o risco de entrar para o hall de partido nanico, de partido com pouca reverberação”, avalia.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias