TROÇA CARNAVALESCA

Edilson Silva vai a batalhão da PM tentar identificar quem mandou apreender fantasias

Para Edilson Silva, apreensão de fantasias de troça que faz críticas ao PSB é censura

Paulo Veras
Paulo Veras
Publicado em 02/03/2017 às 20:18
Foto: Jarbas Araújo/Alepe
Para Edilson Silva, apreensão de fantasias de troça que faz críticas ao PSB é censura - FOTO: Foto: Jarbas Araújo/Alepe
Leitura:

Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), o deputado Edilson Silva (PSOL) foi na tarde desta quinta-feira (2) até o 16º Batalhão da Polícia Militar, no Recife, para tentar conversar com o comandante do órgão sobre a apreensão de fantasias da Troça Carnavalesca Empatando Tua Vista, que faz críticas às gestões do PSB, por policiais militares, durante o desfile do Galo da Madrugada, durante o último sábado (25). Para o parlamentar, a apreensão foi um ato de censura.

"Tivemos uma conversa aqui de quase meia-hora com o comandante. E incrivelmente ele também não sabe de quem partiu a ordem para apreensão das fantasias", diz o deputado. Na próxima semana, Edilson se reunirá com o comando da PM para tentar tentar identificar os responsáveis. Ele também promete tensionar a Corregedoria e o Ministério Público do Estado para tentar identificar os responsáveis pela apreensão.

"Nesse processo nós queremos identificar quem foram os mandante da apreensão daquelas fantasias e alegorias. Isso porque essa não é uma questão menor, de Carnaval, é uma questão gravíssima. Isso porque trata-se da instituição da censura estatal oficial no Estado de Pernambuco. Hoje é uma fantasia de Carnaval, amanhã é um comentário no jornal, é uma matéria jornalística, é a voz de um deputado, é a voz dos movimentos sociais que podem estar sendo caladas com esse tipo de postura", afirmou Edilson.

CRÍTICAS

Em um vídeo divulgado em sua página do Facebook, o deputado do PSOL também critica o governador Paulo Câmara (PSB) e o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), que afirmou em entrevista à Rádio Jornal acreditar que a apreensão foi uma "ação de controle urbano". "Lamentavelmente nós temos aqui tanto na Prefeitura do Recife, quanto no Governo do Estado duas figuras imaturas, me parece, politicamente. Figuras que não foram construídas no calor das lutas democráticas e que podem estar trocando os pés pelas mãos", afirma.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias