SAÚDE

TCE questiona dispensa de licitação para retomada da reforma do HGV

Secretaria de Saúde de Pernambuco queria contratar obra no Hospital Getúlio Vargas por R$ 6,2 milhões, 254,65% maior que o valor dos serviços remanescentes

Verônica Almeida
Verônica Almeida
Publicado em 10/04/2017 às 12:41
JC Imagem
Secretaria de Saúde de Pernambuco queria contratar obra no Hospital Getúlio Vargas por R$ 6,2 milhões, 254,65% maior que o valor dos serviços remanescentes - JC Imagem
Leitura:

A Secretaria de Saúde de Pernambuco cancelou uma dispensa de licitação depois que o conselheiro substituto Ruy Harten, do Tribunal de Contas do Estado (TCE), emitiu alerta de responsabilização do secretário José Iran Costa Júnior sobre possíveis riscos jurídicos e financeiros na operação. A SES queria contratar a conclusão da reforma da Emergência do Hospital Getúlio Vargas, no Cordeiro, que se arrasta desde maio de 2013, a R$ 6,2 milhões, valor 254,65% maior que o dos serviços remanescentes do contrato inicial atualizados à época da paralisação dos trabalhos, 2015.


De acordo com o TCE, a reforma da emergência foi contratada em 2012 e iniciada em 2013 por R$ 5,2 milhões. “O valor contratado, somado aos dos quatro aditivos realizados, totalizava R$ 7.596.764,16, dos quais R$ 5.822.303,20 haviam sido pagos, restando ainda R$ 1.744.460,95 em serviços a serem executados”, informa o tribunal de contas.
Na avaliação dos técnicos da Gerência de Auditoria de Obras Públicas do TCE, a soma dos dois contratos elevaria o valor da obra para R$ 12,1 milhões, aumentando em 129,19% o que havia sido inicialmente previsto pela Concorrência 18/2012. Além disso, “o contexto no qual a obra estava inserida não refletia o caráter emergencial, nem reunia outros requisitos para uma contratação por dispensa licitatória.
Ao TCE, a Secretaria Estadual de Saúde informou que a constatação de falhas no projeto e de serviços pagos e não realizados deram causa a não renovação do contrato inicial. Daí ter dispensado licitação para dar continuidade, emergencialmente, à execução dos serviços.

TCE recomenda à SES cuidadosa apuração sobre serviços pagos e não executados na reforma do HGV

A análise técnica do TCE alerta que as falhas de projeto e o pagamento de serviços não executados exigem uma detalhada e cuidadosa apuração por parte da Secretaria de Saúde, “de modo a preservar a economicidade e garantir o interesse público”.
De acordo com o tribunal de contas as recomendações do relator foram acatadas pela Secretaria de Saúde, que publicou o aviso de cancelamento da dispensa em 30 de março de 2017.

SES fará licitação em abril para retomar obras do HGV

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde esclarece que está cumprindo as recomendações do TCE e que a licitação deve ser lançada neste mês de abril de 2017. Sobre as irregularidades no cumprimento do contrato inicial das obras, garante que fez auditoria minuciosa notificou a empresa responsável. Leia na íntegra:

NOTA DE ESCLARECIMENTO/ SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE
A Secretaria Estadual de Saúde (SES) esclarece que adotou todas as recomendações do Tribunal de Contas e, nesse sentido, já deu início a um novo processo de licitação ordinário para a conclusão das obras de ampliação da emergência do Hospital Getúlio Vargas. O Edital será publicado ainda neste mês de abril. Vale destacar que, desde a paralisação, a SES realizou um minucioso processo de auditoria das medições da obra, além de levantamento dos projetos indispensáveis ao serviço, que não tinham sido previstos na licitação inicial - como a modernização da subestação de energia. Com base nesse processo, a SES já notificou a empresa responsável para prestar os esclarecimentos devidos e, diante disso, garante que todas as medidas cabíveis serão tomadas.

 

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias