DISPUTA POLÍTICA

Paulo Câmara diz que governo 'fará tudo' para Hemobrás não ser esvaziada

Estatal corre risco de sair de Pernambuco para ser instalada no reduto político do atual ministro da Saúde

JC Online
JC Online
Publicado em 09/08/2017 às 18:10
Aluisio Moreira/SEI
Estatal corre risco de sair de Pernambuco para ser instalada no reduto político do atual ministro da Saúde - FOTO: Aluisio Moreira/SEI
Leitura:

Mesmo com mais de R$ 1 bilhão investido, a Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) entrou para a lista de estatais que desandaram e corre um sério risco de esvaziamento. Peça que pode vir a ser fundamental para colocar Pernambuco como figura central do mercado de sangue brasileiro, a estatal, em meio a uma chuva de críticas, recebeu nesta quarta-feira (9) o total apoio do governador Paulo Câmara (PSB).

"A Hemobrás é hoje um patrimônio de Pernambuco e o Governo do Estado fará tudo ao seu alcance para que a empresa não seja esvaziada. Além disso, para o Brasil, a escolha economicamente sustentável é fortalecer a Hemobrás, em vez de enfraquecê-la", escreveu Paulo em nota enviada ao JC.

Atualmente, o Ministério da Saúde gasta mais de R$ 1 bilhão para obter e distribuir medicamentos hemoderivados por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). No projeto da planta em Pernambuco, com 70% de execução física pronta, está prevista a construção de duas fábricas, uma de plasmáticos para produção de seis medicamentos, como albumina e imunoglobulina, e outra para o fator VIII recombinante. Há acordos com o laboratório francês LFB e a empresa irlandesa Baxalta/Shire para fornecer os medicamentos, enquanto a tecnologia não é repassada. Entre os entraves para alcançar a autossuficiência, está o atraso de obras.

Embora seja um projeto petista, lançado por Lula em 2004, o Governo de Pernambuco reconhece o potencial da empresa e promete 'firmeza' para qualquer proposta que pretenda retirar a estatal do Estado. "A Hemobrás é o resultado da atuação de diversos governos - estaduais e federais - que escolheram nosso Estado como o melhor local para receber a fábrica. Qualquer hipótese que vá na direção contrária será combatida com firmeza pelo Governo de Pernambuco. A unidade política é importante, fundamental, mas que vá além dos arroubos de motivação eleitoral", atestou Câmara.

Com o cronograma de obras interrompido várias vezes por indícios de irregularidades, como superfaturamento de contratos, além da falta de repasses da União, a Hemobrás se viu em apuros no ano de 2015, com a deflagração da Operação Pulso, da Polícia Federal, que investigou fraudes em licitações e contratos de logística de plasma e hemoderivados, além da própria construção da fábrica.

Dois anos depois, a empresa se vê em nova encruzilhada, com manobras do ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP) para tirar a Hemobrás de Goiana, na Zona da Mata pernambucana, e levar a empresa ao seu reduto eleitoral, Maringá.

Confira íntegra da nota do governo:

"A Hemobrás é hoje um patrimônio de Pernambuco e o Governo do Estado fará tudo ao seu alcance para que a empresa não seja esvaziada. Além disso, para o Brasil, a escolha economicamente sustentável é fortalecer a Hemobrás, em vez de enfraquecê-la. A Hemobrás é o resultado da atuação de diversos governos - estaduais e federais - que escolheram nosso Estado como o melhor local para receber a fábrica. Qualquer hipótese que vá na direção contrária será combatida com firmeza pelo Governo de Pernambuco. A unidade política é importante, fundamental, mas que vá além dos arroubos de motivação eleitoral".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias