23ª edição

Grito dos Excluídos no Recife sai em marcha no dia 7 de setembro

Concentração da 23ª edição do Grito dos Excluídos será na Praça do Derby, na próxima quinta-feira (7), às 9h

Editoria de Política
Editoria de Política
Publicado em 05/09/2017 às 9:07
JC Imagem
O Grito dos Excluídos ocorre todos os anos no dia 7 de setembro. Na foto, é possível ver a manifestação de 2017 - FOTO: JC Imagem
Leitura:

O Grito dos Excluídos sai em marcha na sua 23ª edição no Recife, na próxima quinta-feira (7), com concentração a partir das 9h na Praça do Derby, passando pela Avenida Guararapes em direção ao Pátio do Carmo. 

O tema desta ano é "Vida em primeiro lugar" e "Por direitos e democracia, a luta todo dia" e traz o mesmo contexto da edição passada de crítica ao governo do presidente Michel Temer (PMDB), as reformas Trabalhista, da Previdência e a PEC que estabelece o teto dos gastos públicos nos próximos 20 anos. 

Haverá uma coletiva de impressa para dar os informes sobre o ato nesta quarta (6) às 15h na sede do Movimento de Trabalhadores Cristãos (MTC), na Rua Gervásio Pires, centro do Recife. 

O Grito dos Excluídos é uma manifestação que reúne integrantes de entidades e movimentos sociais, populares e religiosos tradicionalmente na semana da Pátria, culminando na marcha no dia 7 de setembro, em cidades de todos os estados do Brasil e no Distrito Federal. Em contraponto ao desfile cívico-militar da Independência, a intenção é dar visibilidade aos grupos excluídos da sociedade e divulgar as demandas da sociedade brasileira. O primeiro Grito surgiu em 1995 por iniciativa das pastorais sociais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). 

2016

Em 2016, o tema foi “Esse sistema é insuportável: exclui, degrada e mata', o Grito dos Excluídos pediu. O ato em Recife pediu o "Fora Temer" e queimou o "caixão da democracia". Pacífica, a manifestação foi marcada pelos gritos de "Fora Temer" e por músicas como "Apesar de Você", de Chico Buarque, e "O que é, o Que é?", de Gonzaguinha. Mascarados, um grupo muito pequeno de anarquistas punk chamava atenção na parte da frente da caminhada e houve quem parrasse os jovens para fazer selfies. Não houve qualquer tipo de confronto.

Últimas notícias