2018

Oposição estadual decidirá nomes para chapa somente em março

Encabeçada por FBC, oposição realiza eventos com lideranças políticas para consolidar aliança em 2018

Mariana Araújo
Mariana Araújo
Publicado em 11/12/2017 às 7:00
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Encabeçada por FBC, oposição realiza eventos com lideranças políticas para consolidar aliança em 2018 - FOTO: Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Leitura:

Os nomes que irão compor a chapa do grupo Pernambuco quer mudar, que inclui nomes do PTB, DEM, PSDB e PMDB, em oposição ao governador Paulo Câmara (PSB), só serão definidos em março. De acordo com o senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB), é preciso definir os cenários políticos locais e nacionais.

O grupo, que reúne, ainda, os ministros Fernando Filho (sem partido) e Mendonça Filho (DEM), o deputado federal Bruno Araújo (PSDB), o senador Armando Monteiro (PTB) e os ex-governadores João Lyra Neto e Joaquim Francisco (ambos do PSDB), realiza um ato hoje, às 17h, na casa de festas Arcádia, no Paço Alfândega. São esperadas cerca de mil pessoas, entre lideranças comunitárias, sindicais e municipais. O PV também irá engrossar o grupo.

“Os nomes ficarão para março. É o período da definição das alianças estaduais, nacionais. Nomes, só em março. Agora é a hora de marcar posição, de começar um processo de unificação das forças de oposição, de começar a fazer um diagnóstico do Estado. Em março, com o quadro mais definido, nós vamos iniciar a discussão sobre nomes”, disse o senador Fernando Bezerra.
Segundo ele, outras reuniões semelhantes serão realizadas no interior do Estado entre os meses de janeiro e fevereiro.
“Será um grande encontro que vai reunir diferentes políticos, partidos, lideranças sindicais, empresariais, comunitárias de todas as regiões do Estado para que a gente possa dar o início daquilo que a gente considera a construção de uma grande frente política que apresentará, no próximo ano, uma alternativa para Pernambuco resgatar o seu protagonismo, a sua capacidade de investimento, recuperar os indicadores das mais diversas áreas, que é o que vem sendo cobrado, reclamado pelos diversos segmentos da nossa sociedade”, acrescentou Fernando Bezerra.

Em reserva, aliados do grupo falam na possibilidade de uma múltipla candidatura, já que o FBC trava uma disputa judicial pelo comando do diretório estadual com o vice-governador Raul Henry, atual presidente estadual da legenda. Na semana passada, o caso foi levado até o presidente Michel Temer por Raul e o deputado federal Jarbas Vasconcelos.
No evento, todos terão vez para fala. O ato deve começar com um pronunciamento dos ex-governadores João Lyra e Joaquim Francisco. Em seguida, falarão Fernando Filho, Bruno Araújo, Fernando Bezerra e Mendonça Filho. O senador Armando Monteiro Neto deverá encerrar o ato. O nome dele e de Fernando são colocados como os prioritários para a disputa pelo governo. O petebista teria sido escolhido para encerrar o ato por agrupar um maior número de partidos na sua espera política.

ALIADOS

No último sábado, o PV-PE decidiu que também seguirá na oposição a Paulo Câmara. O partido queixa-se de um distanciamento do governo do Estado após o desmembramento do grupo com a Rede. “O PV foi perdendo o seu protagonismo. Esse é um momento de reflexão do Estado”, afirmou o presidente do PV-PE, Carlos Augusto Costa. O partido, afirma, deverá ter candidatura própria em 2018, com os nomes de Jacques Ribemboim e Gustavo Rosas. “Queremos eleger pelo menos um deputado federal e um estadual, vamos montar uma chapa competitiva. Estamos conversando com alguns parlamentares insatisfeitos com as suas legendas”, acrescentou Carlos Augusto. O presidente do PV-PE deverá fazer uma apresentação sobre a situação do Estado.

Últimas notícias