Balanço

'Aumento da folha foi escolha consciente do governador', diz Raul Henry

O vice-governador Raul Henry saiu em defesa de Paulo sobre aumento da folha que causou comprometimento com gastos de pessoal quase no limite da LRF

Editoria de Política
Editoria de Política
Publicado em 09/02/2018 às 12:01
Foto: Diego Nigro / JC Imagem
Raul Henry (MDB-PE) defendeu a proposta do "coronavoucher" e a criação do orçamento paralelo para contornar as consequências da crise - FOTO: Foto: Diego Nigro / JC Imagem
Leitura:

O vice-governador Raul Henry (PMDB) defendeu o governador Paulo Câmara (PSB) sobre o comprometimento do Estado em 2017 com gastos de pessoal de 47,09 %, próximo do limite prudencial de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LFR). Segundo Raul, o aumento da folha de pagamento e reajuste nos salários do setor da saúde, educação e segurança foi uma "escolha consciente" do Chefe do Executivo Estadual.

"O aumento da folha foi uma escolha do governador e uma escolha correta para enfrentar os problemas que mais afligem a população: educação, saúde e segurança. Pernambuco foi o segundo estado do Brasil que mais criou vagas. Temos a convicção que o estado vai sair da crise em uma velocidade muito maior que o país", afirmou o vice-governador, durante debate da Super Manhã da Rádio Jornal nesta sexta-feira (9).

Comprometimento

Se no segundo quadrimestre Pernambuco já tinha entrado para o rol dos Estados que ultrapassaram o limite prudencial permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (46,55%), com comprometimento de 47,09%, no fechamento do exercício faltou 0,03 ponto percentual para cair no alerta vermelho.

O discurso inaugural do ano legislativo da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) assinado pelo governador em exercício Raul Henry e lido pelo secretário da Casa Civil, Nilton Mota, atribuía o acréscimo de 11,5% nas despesas brutas com pessoal como principal causa para o comprometimento. "Não poderíamos, sob hipótese alguma, deixar faltar pessoal para prestação de serviços essenciais à população”, diz trecho do texto oficial do Executivo. 

Últimas notícias