Pernambuco Quer Mudar

Candidato da oposição será anunciado até dia 20 de abril

A oposição anunciou no ato do Pernambuco Quer Mudar do último sábado (3) que terá apenas um candidato para disputar o governo contra Paulo Câmara (PSB)

Luisa Farias
Luisa Farias
Publicado em 05/03/2018 às 10:49
Foto: Divulgação
A oposição anunciou no ato do Pernambuco Quer Mudar do último sábado (3) que terá apenas um candidato para disputar o governo contra Paulo Câmara (PSB) - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

O grupo de oposição intitulado Pernambuco Quer Mudar confirmou durante evento em Caruaru, no Agreste, sábado passado (3), que terá apenas um candidato para disputar o governo de Pernambuco contra Paulo Câmara (PSB). O nome deverá ser anunciado até dia 20 de abril. No dia 7 do mesmo mês, será realizado o próximo ato dos oposicionistas, em Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife.

O candidato pode ser um dos dois senadores que lideram o grupo, Armando Monteiro Neto (PTB) ou Fernando Bezerra Coelho (MDB). No último ato das oposições, no dia 27 de janeiro, em Petrolina, FBC discursou como pré-candidato ao governo e Armando brincou que disputaria a vaga com ele “no frevo”.

“Decidimos que vamos continuar juntos. Vamos apresentar aos pernambucanos apenas um candidato ao governo do Estado”, afirmou Fernando Bezerra Coelho. 

Além dos dois, lideram o palanque o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), e o deputado federal Bruno Araújo (PSDB). “É muito claro que o desespero começa a tomar conta do palanque do governo. O Estado está desmanchado do ponto de vista político e estagnado do ponto de vista econômico”, declarou Mendonça. A avaliação é de que o grupo poderia sair fragilizado com duas candidaturas. Com apenas um nome, o objetivo seria tentar fazer a eleição terminar no primeiro turno. Com duas chapas, outra dificuldade seria arrumar quatro nomes para a disputa ao Senado.

Armando afirmou que vai respeitar a escolha que for tomada sobre o candidato. “Nesse grupo, não há falta de nomes, tem até excesso de bons nomes. Portanto não será por carência que nós deixaremos de oferecer a melhor opção a Pernambuco”, afirmou. Para Armando, um dos desafios é vencer a máquina pública. “Estamos enfrentando uma máquina que hoje mói apenas para manter um grupo no poder. Esse grupo já não pode oferecer nada a Pernambuco”, disse.

Derrotado por Paulo Câmara em 2014 e opositor do socialista nos últimos anos, o senador voltou a criticar a sua gestão, acompanhando o tom dos outros discursos. “Não preciso dizer que Pernambuco vai mal, vive um período de desesperança e desalento”, afirmou.

Reação do Palácio

Aliados do governador Paulo Câmara (PSB) comemoraram a decisão da frente de oposições de lançar um único candidato. Eles acreditam que o movimento favorece que o resultado da eleição se resolva no primeiro turno, ajuda a colar nos opositores a imagem do “palanque do presidente Michel Temer” e, de quebra, expôs um sinal de fragilidade do grupo que vinha trabalhando com duas chapas como a melhor estratégia para vencer o PSB.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias