Pinga-fogo

Igor Maciel: Bolsonaro conhece pouco ou quase nada sobre os Estados Unidos

O 'amor' de Bolsonaro não deve ajudar muito na luta para evitar a taxação dos EUA sobre o aço brasileiro

Gustavo Belarmino
Gustavo Belarmino
Publicado em 02/12/2019 às 16:19
Artigo
Imagem: Pixabay
O 'amor' de Bolsonaro não deve ajudar muito na luta para evitar a taxação dos EUA sobre o aço brasileiro - FOTO: Imagem: Pixabay
Leitura:

Igor Maciel, da coluna Pinga Fogo*

Em 2010, em uma viagem pela Inglaterra, presenciei uma cena, no mínimo inusitada, em uma casa de câmbio. Duas jovens norte-americanas tentavam comprar Libra Esterlina usando o Dólar. Ao descobrirem que a moeda britânica era mais cara do que a dos EUA, ficaram surpresas. Ao receberem o valor após o câmbio, se revoltaram. Em voz alta, reclamavam não ser possível que a moeda delas valesse menos do que a Libra. As duas adolescentes acharam que estavam sendo enganadas. É sempre curioso quando aspectos de uma cultura se confrontam com a realidade.

O atendente na casa de câmbio se manteve entre o ar de riso e a surpresa com a reação. Elas trocaram o valor e foram embora. Retire da equação a ignorância das jovens sobre a valorização histórica da moeda inglesa e o que sobra é o sentimento que todo americano tem, ampliado pela educação local, de uma superioridade nata e nem um pouco solidária. O ditado diz que é preciso conhecer os inimigos melhor que os amigos. Essa frase só faz sentido se você for perspicaz o suficiente para conhecer bem os amigos antes. Bolsonaro conhece pouco ou quase nada sobre os EUA. Isso é perigoso na medida em que nem mesmo a natureza básica do "amado" Trump o presidente brasileiro entende.

Leia mais comentários de Igor Maciel:

Consórcio Nordeste decretou trégua com governo federal

Governo de Pernambuco correndo para fechar as contas

Ciro Gomes deve saber de coisas que ninguém sabe ou está só torcendo que o país dê errado

No Recife, Lula acena para Marília Arraes e João Campos

Em discurso, Lula chamou mais atenção pelo que não disse do que pelo que disse

O lema do governo de lá é "América First", nada mais óbvio. Trump é um negociante de primeira que não acumulou a própria fortuna sendo bobo. Ele não faz nada sem alguma intenção posterior e a margem de manobra dessas negociações costuma ser tão curta quanto a paciência dos americanos com qualquer benefício que não seja direcionado a eles próprios. O protecionismo econômico por lá tem o efeito populista de um Bolsa Família brasileiro. Pressionar outros países enquanto se reafirma a hegemonia norte-americana equivale a, no Brasil, dizer que "agora o pobre pode comprar TV e andar de avião". Pensando bem no tipo de populismo que melhor alcança os norte-americanos, pode-se concluir, até jocosamente, que Bolsonaro "ama" uma versão estrangeira de Lula.

Trump enfrenta um processo de impeachment enquanto se prepara pra uma eleição. O "amor" de Bolsonaro não deve ajudar muito contra isso, na luta para evitar a taxação do aço brasileiro. Mesmo que consiga algo, é importante ler a letras pequenas. Trump já espera que Brasil e Argentina corram para tentar resolver a situação e certamente já os espera com alguma nova ideia. Em um acordo com os EUA, um lado sempre vai se beneficiar mais e não será o Brasil nem a Argentina. Difícil é saber se Bolsonaro vai ser capaz de ir além da paixão nessa conversa.

*Igor Maciel é titular da coluna Pinga Fogo, no Jornal do Commercio

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias