Segurança

Paulo Câmara comemora a formação de 405 novos policiais civis

De acordo com o governador, os novos policiais civis garantem a continuidade da redução da criminalidade do Estado

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 03/02/2020 às 18:21
Notícia
Fotos: Hélia Scheppa/SEI
De acordo com o governador, os novos policiais civis garantem a continuidade da redução da criminalidade do Estado - FOTO: Fotos: Hélia Scheppa/SEI
Leitura:

O governador Paulo Câmara (PSB) celebrou, em suas redes sociais, a formatura de de 405 policiais civis, sendo 403 agentes e dois escrivães, realizada nesta segunda-feira (3), no Centro de Convenções. De acordo com o chefe do executivo estadual, os profissionais irão “reforçar o trabalho de investigação e inteligência - que está entre os que mais elucidam crimes em todo o país”.

 

Os policiais devem ser distribuídos de acordo com a necessidade de cada região do Estado. “Esses novos agentes vão garantir a Pernambuco a condição de continuar reduzindo o número de homicídios, roubos e furtos. Ao mesmo tempo, vão assegurar que a polícia esteja presente em todos os municípios pernambucanos”, afirmou Câmara durante a solenidade de formatura dos policiais civis. 

>> Atravessando gestões, policiais federais estão à frente da melhora da segurança em Pernambuco

>>Recife tem a maior redução de mortes em números absolutos de Pernambuco em 2019

No último mês também houve a contratação de cerca 500 novos praças da Polícia Militar, que já estão atuando nas ruas do Estado. Os convocados participaram do Curso de Formação Profissional de Agentes da Polícia Civil, que ocorreu entre 12 de agosto e 27 de dezembro do ano passado. Durante o período, os alunos foram capacitados em áreas como investigação policial, inteligência de polícia judiciária, armamento, munição e tiro, abordagem policial, direitos humanos, criminalística, prática policial e gerenciamento de crises e desastres.

Essa é a segunda convocação do concurso feita pelo governador. Em 2018, 850 classificados no mesmo certame (aberto em 2016) foram chamados. De acordo com o secretário estadual de Defesa Social, Antônio de Pádua,  a convocação poderá dar mais celeridade aos inquéritos policiais. “Delegacias de todo o Estado vão receber esse reforço, com o objetivo de melhorar cada vez mais a segurança pública em Pernambuco”, declarou. 

A recém-formada Maria Carolina Castanho, afirmou estar orgulhosa com o caminho que escolheu e que pretende cumprir com o papel de ajudar as pessoas. “Contribuir diretamente para o bem estar do meu Estado é uma atividade muito engrandecedora. Na delegacia, vamos ajudar pessoas que estão, naquele momento, desfavorecidas, passando por situações difíceis. É uma função muito importante e necessária”, pontuou.

 Participaram da solenidade o presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco, deputado Eriberto Medeiros; o secretário executivo da Secretaria de Defesa Social, Humberto Freire; o chefe da Polícia Civil, delegado Joselito Kehrle do Amaral; o comandante da Polícia Militar, coronel Vanildo Maranhão; a superintendente da Polícia Federal, Carla Patrícia; a gerente geral da Polícia Científica, Sandra Santos; além de parlamentares e servidores da segurança pública.

Redução da criminalidade

A Secretaria de Defesa Social (SDS) divulgou, no dia 15 de janeiro, o balanço com os números de homicídios em Pernambuco em 2019. De acordo com a SDS, no último ano, foi registrada uma redução de 16,9% nos casos de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) no comparativo com 2018, saindo de 4.173 vítimas para 3.466. Com isso, 2019 foi o quarto ano com menos homicídios desde a criação do programa Pacto Pela Vida, em 2007.

De acordo com os dados, em média, foram assassinadas nove pessoas por dia em Pernambuco. Segundo a Secretaria, essa é a segunda maior queda percentual desde em 2007, quando 4.591 pessoas foram assassinadas no Estado. Nos anos seguintes, o número seguiu caindo até 2014, quando o número de CVLI foi maior que ano anterior e 3.434 pessoas foram vítimas deste tipo de crime em Pernambuco. Em 2017, o Pacto Pela Vida experimentou seu pior momento e viu 5.428 pessoas serem assassinadas.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias