CINEMA

''Desonestidade intelectual'', diz Daniel Coelho sobre entrevista de Petra Costa, autora de Democracia em Vertigem

O deputado federal diz que o filme é uma ficção com argumentos que não se conectam

Cássio Oliveira
Cássio Oliveira
Publicado em 05/02/2020 às 14:42
Notícia
Foto: Divulgação
O deputado federal diz que o filme é uma ficção com argumentos que não se conectam - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

Líder do Cidadania na Câmara, o deputado federal Daniel Coelho classificou o filme Democracia em Vertigem, de Petra Costa, como uma ficção com ''argumentos que não se conectam''. A obra foi indicada ao Oscar 2020 na categoria melhor documentário.

O pernambucano utilizou do Twitter para comentar entrevistas da cineasta feitas nos Estados Unidos. "As entrevistas de Petra, sua autora, deixam tudo mais claro: é desonestidade intelectual mesmo! Liberdade para criar! Mas quem pensa com liberdade, só pode rir da alienação", afirma Daniel.

O tuíte faz referência a uma entrevista de Petra para o jornalista Hari Sreenivasan, da emissora americana PBS, na qual a cineasta faz críticas ao governo Jair Bolsonaro.

Veja também: ‘Filme mentiroso’, diz dono da Havan sobre Democracia em Vertigem

Veja também: 'Verdade não está enterrada', diz Dilma sobre indicação de 'Democracia em Vertigem' ao Oscar

O perfil da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) no Twitter também se manifestou sobre a entrevista. "Nos Estados Unidos, a cineasta Petra Costa assumiu o papel de militante anti-Brasil e está difamando a imagem do País no exterior. Mas estamos aqui para mostrar a realidade. Não acredite em ficção, acredite nos fatos", escreveu a Secom em sua rede social.

No entanto, Daniel Coelho discordou do posicionamento da Secom. "Não concordo. Secom não tem que se meter, quem deve falar somos nós. Agora nos calarmos sobre uma mentira absurda sendo contada sobre a história do nosso País é um desserviço à democracia", afirmou o deputado.

No Twitter, Petra rebateu. "O governo brasileiro usou sua conta oficial da Secretaria de Comunicação nas mídias sociais para me atacar, chamando-me de anti-patriota. Este é mais um passo em direção ao autoritarismo, em face do qual não devemos permanecer calados", escreveu.

A ex-deputada estadual Terezinha Nunes também se manifestou sobre o filme. Na publicação de Daniel, ela comentou que Democracia em Vertigem é um filme para inglês ver. "Os brasileiros quando virem vão concluir que é uma mentira deslavada. Nós fomos testemunhas desta história escavemos como tudo aconteceu. Não vai ser uma versão meia tigela que vai mudar nosso pensamento", escreveu.

"Democracia em vertigem" mostra o processo de impeachment de Dilma Rousseff e a crise política no Brasil pelo olhar de Petra. A diretora mineira também fez os documentários "Elena" (2012) e "Olmo e a gaivota" (2014), premiados respectivamente nos festivais de Brasília e do Rio. Esta é sua primeira indicação ao Oscar.

PEDRO BIAL

O jornalista e apresentador Pedro Bial também criticou duramente o filme Democracia em Vertigem e o classificou como uma "ficção alucinante", em uma entrevista à Rádio Gaúcha. "É um 'non sequitur' (encadamento ilógico de ideias) atrás do outro. Tira conclusão de que algo leva a outro sem a menor relação causal. O filme vai contando as coisas num pé com bunda danado."

Bial também criticou o tom de voz da diretora. "Uma narração miada, insuportável, ela (Petra) fica chorando o filme inteiro." Para o jornalista, o filme é mentiroso. Ele também arriscou uma interpretação psicanalítica. "É um filme de uma menina dizendo para mamãe dela que fez tudo direitinho, que ela está ali cumprindo as ordens e a inspiração de mamãe, somos da esquerda, somos bons, não fizemos nada, não temos que fazer autocrítica. Foram os maus do mercado, essa gente feia, homens brancos que nos machucaram e nos tiraram do poder, porque o PT sempre foi maravilhoso e Lula é incrível", afirmou Pedro Bial.

Políticos também repercutiram sobre o filme nos últimos dias. Confira:

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias