Câmara do Recife

'Não importa o quanto tentem, o nosso Jesus é grande', afirma vereadora do Recife sobre desfile da Mangueira

O desfile da escola de samba carioca Mangueira fez várias representações da imagem de Jesus, a vereadora criticou

Alice Albuquerque
Alice Albuquerque
Publicado em 26/02/2020 às 17:43
Foto: Divulgação
O desfile da escola de samba carioca Mangueira fez várias representações da imagem de Jesus, a vereadora criticou - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

A vereadora Aimée Carvalho (PSB) criticou o desfile da escola de samba carioca Mangueira, que aconteceu no último domingo de Carnaval (23). A Mangueira foi uma das três escolas de samba mais aguardadas da noite. A agremiação mostrou, na comissão de frente, um Jesus na sua representação clássica, mas como alvo de ação policial. E também fez uma versão diferente de Jesus, o representou como índio, mulher e morador de rua.

>> Hospital Veterinário do Recife será ampliado, anuncia vereadora ao lado de Geraldo Julio 

>> Vereador rebate crítica de Daniel Coelho ao PSB sobre o metrô do Recife: 'lambeu botas de Bolsonaro'

>> Deputados e vereadores debatem colisão do metrô no Recife

Nas redes sociais, a parlamentar que participa da bancada evangélica da Casa , se pronunciou sobre o desfile. Segundo Aimée, "intolerância e respeito marcaram, mais uma vez, o carnaval". " Já virou tradição tentar diminuir e desmerecer a fé dos cristãos. No domingo, a Mangueira desfilou apresentando Jesus vestido de mulher e apanhando da polícia. Mães de santo e homossexuais foram fantasiados de Jesus crucificado, aparecendo durante o desfile. Um festival de devaneios que condeno e repudio publicamente. Não importa o quanto tentem, o nosso Jesus é grande, é santo, é poderoso e não se deixa escarnecer. É cada vez mais urgente termos representantes em todas as esferas para combatermos esse tipo de intolerância. Basta de desrespeito", criticou.

Em entrevista ao JC, o líder da oposição na Câmara Municipal do Recife, Renato Antunes (PSC), defendeu o Estado Laico e considerou a fé como uma "questão pessoal" e que a vereadora é livre para "se manifestar de acordo com suas convicções". "Afinal, 90% do povo brasileiro se define como cristão. Neste sentido, para muitos, usar a imagem de Cristo não soa como arte, mas afronta o desrespeito. É o velho conceito: liberdade, sim, libertinagem, não" e ainda indagou "Imagina se fosse a imagem de Maomé? Buda? Alan Cardec? Oxum? Vamos cuidar do Brasil e respeitar a fé e as diferenças".

Últimas notícias