Persona/ Belo Xis

Com o samba no sangue

Sambista e puxador oficial da escola Gigante do Samba, com 35 anos de carreira e 12 discos gravados, artista lembra a época de jogador de futebol

Janaína Lima
Janaína Lima
Publicado em 19/03/2012 às 18:47
Igo Bione/JC Imagem
Sambista e puxador oficial da escola Gigante do Samba, com 35 anos de carreira e 12 discos gravados, artista lembra a época de jogador de futebol - FOTO: Igo Bione/JC Imagem
Leitura:

Samba é o ritmo que rege a vida do pernambucano Antônio José de Santana, 65 anos, mais conhecido como Belo Xis. O sambista e puxador oficial da escola Gigante do Samba, com 35 anos de carreira e 12 discos gravados, faz parte também da ala de compositores da Unidos da Tijuca e já tocou com grandes nomes como Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz e Chico Silva. Em conversa com a repórter Carol Botelho, Belo Xis revelou que também gosta de forró, futebol e de contar piadas.

JC – Samba ou futebol?
BELO XIS – Uma coisa puxou a outra. O samba apareceu na minha vida quando nasci. Meu pai e minha mãe eram sambistas. Aos 17 anos, eu já participava das rodas de samba no quintal da minha casa. E também já jogava futebol. Na época, joguei no Santa Cruz e no América. Depois fui pro Rio jogar no Vasco da Gama. Foram sete anos dedicados à bola. E foi no Rio que conheci grandes sambistas.

JC – Que outro ritmo gosta de ouvir?
BELO – Sou muito ligado às músicas de Luiz Gonzaga, porque elas têm um sentimento muito forte. Fui criado na Torre ouvindo os discos dele.

JC – Suas letras falam de que?
BELO – Gosto muito de falar de amor, porque transmite positividade.

JC – É do dia ou da noite?
BELO – Da noite. Sou boêmio. Gosto de tomar meu uísque e frequentar bares de música ao vivo.

JC – Curte que lugares do Recife?
BELO – Água Fria é o bairro onde moram meus amigos sambistas. Também gosto de ir ao Parque 13 de Maio, pois acho que é um lugar bem sossegado para compor. Costumo ocupar uma daquelas mesas onde o pessoal joga dominó e ficar compondo com os amigos.

JC – É de casa ou da rua?
BELO – Da rua. Não sou de ficar muito em casa. Gosto de andar por aí, o que é bom porque sou muito preguiçoso para fazer exercício. Acordo cedo, mas fico um tempo na cama, ouvindo rádio. No entanto, quando me levanto, caminho o dia todo.

JC – E quando para em casa, o que gosta de fazer?
BELO – Assistir ao noticiário e ler jornal.

JC – Tem alguma mania?
BELO – Riscar papel. É letra, conta... Para ocupar o tempo. Não sei ficar parado.

JC – Qual o seu time de futebol?
BELO – Sou rubro-negro de coração. Adoro ver o Sport jogar.

JC – É religioso?
BELO – Sempre vou À igreja e sou devoto de Nossa Senhora da Conceição. Todo ano, subo o morro no dia da santa.

JC – Prefere o Recife ou o Rio?
BELO – Recife, por causa da hospitalidade do povo e porque tenho reconhecimento. Aqui não tem tanta mídia como no Rio, mas é sossegado.

JC – Você é feliz?
BELO – Muito. E gosto de fazer as pessoas felizes também. Por isso vivo contando piadas. Sou muito brincalhão. Quando chego em um lugar, todo mundo começa a rir.

JC – Qual o seu maior sonho?
BELO – Compor uma música que faça sucesso nacionalmente.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias