SAÚDE

Fonoaudiólogos devem atuar também nas escolas

Profissionais são fundamentais para identificar precocemente problemas de aprendizagem e de desenvolvimento

Cinthya Leite
Cinthya Leite
Publicado em 01/11/2012 às 16:52
Júlio Gomes/+iMAGEM! (Divulgação)
Profissionais são fundamentais para identificar precocemente problemas de aprendizagem e de desenvolvimento - Júlio Gomes/+iMAGEM! (Divulgação)
Leitura:

A importância do fonoaudiólogo nas escolas tem chamado atenção de especialistas envolvidos com a educação. Por um simples motivo: a comunicação humana é um elemento indispensável para o bom desenvolvimento e aprendizado. Em Brasília, onde acontece até o sábado (3/11) o 20º Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, profissionais de várias áreas debatem sobre o assunto vinculado à fonoaudiologia educacional - responsável pelo processo ensino-aprendizagem, com o intuito de promover o desenvolvimento das potencialidades dos estudantes.

"Neste evento, batalhamos para alcancar dois objetivos: ter fonoaudiólogos nas escolas, como nos Estados Unidos, e fazer com que eles tenham presença ativa na rede pública de saúde", diz a fonoaudióloga Irene Marchesan, presidente do congresso. Ela diz que a categoria tem lutado para esse desejo se torne lei.

"Não queremos, no contexto escolar, que o fonoaudiólogo ofereça terapias para os alunos. A função dele, nesse cenário, é identificar precocemente possíveis problemas de aprendizagem e de desenvolvimento", complementa a presidente do Conselho Federal de Fonoaudiologia, Bianca Arruda Manchester de Queiroga. "Dessa maneira, essas crianças recebem encaminhamento para outro fonoaudiólogo, em um ambiente extraescolar."

A ideia, então, é fazer com que professores, psicopedagogos e fonoaudiólgos trabalhem em conjunto para detectar distúrbios que estão diretamente ligados ao grau de dificuldades que a criança apresenta. Atrasos no aparecimento da linguagem falada, como também dificuldades para adquirir vocabulário, dialogar, acompanhar as atividades típicas da idade, relacionar-se e brincar são alguns dos transtornos que os fonoaudiólogos estão capacitados para reconhecer.

"Se a identificação desses problemas fosse uma realidade nas escolas, metade dos problemas relacionados aos distúrbios da comunicação estaria resolvida, pois os alunos receberiam diagnóstico o mais cedo possível para serem devidamente atendidos em suas necessidades educacionais", frisa Irene Marchesan.

Para essa lacuna ser resolvida, segundo a presidente do congresso, é importante que as autoridades políticas se sensibilizem. "Não foi à toa que trouxemos o maior evento da nossa categoria para Brasília. Está em discussão, por exemplo, criação de projetos de lei com o objetivo de implementar a obrigatoriedade do fonoaudiólgo nas escolas", conclui Irene.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias