Voo solo

Basta dinheiro, mapa e muita coragem

Enquanto vivia na Espanha, esta repórter aproveitou para viajar só pelo Reino Unido. Não precisou de muitas coisas, além da vontade de conhecer pessoas e lugares novos

Bárbara Buril
Bárbara Buril
Publicado em 27/09/2012 às 13:04
Foto: Arquivo pessoal
FOTO: Foto: Arquivo pessoal
Leitura:

Diferentemente do que gostaríamos, nem sempre as nossas férias coincidem com a época de descanso de amigos, familiares e amores. É mais comum, inclusive, que o nosso tempo de viajar coincida exatamente com o período de rush profissional de quem a gente mais gosta.

O que fazer, então, diante de situações como estas? Aproveitar o descanso para cair na estrada ou viver as migalhas de tempo dos nossos queridos?

Durante o período em que morava em Valladolid, na Espanha, no primeiro semestre deste ano, tive a sorte de ter dez dias de férias, pois a Semana Santa e uma greve geral resolverem ocorrer seguidamente.

Brasileira, senti que era a hora  de pegar a mochila e rodar pela Europa. A ideia parecia tentadora inicialmente, mas o conflito surgiu quando me dei conta de que, simplesmente, eu não tinha companhia.

Os amigos europeus tinham que voltar para os seus respectivos países para fazer provas e os brasileiros queriam ir à Itália, que eu já conhecia. Descartei as duas possibilidade e resolvi ir a Londres. De lá, aproveitaria para conhecer a Escócia. Antes que as vagas do voo esgotassem, comprei as passagens. A viagem acabaria na terra do uísque.

Em Londres, completamente sozinha, desci do ônibus na Oxford Street, a rua mais comercial de toda a Europa. Uma loucura para quem chega sem ter ideia de onde está o hostel. Mas como quem tem boca vai à Roma, logo encontrei o albergue. Já no quarto, conheci um grupo de três australianos muito simpáticos: Oliver, Melissa e Reece.

Eles me mostraram os lugares mais inusitados da cidade, uma vez que Oliver vivia em Bristol, no Reino Unido, e tinha a capital inglesa na palma das mãos. Inesquecível.

Depois de muitas noites maldormidas regadas a vinho e após dias de conversas sobre diferenças culturais, os sete dias na Inglaterra terminaram. Trocas de e-mails com os australianos me deixaram saudosa. Na Escócia, passei três dias de descanso em meio à arquitetura medieval do país.

Foi o momento de autorreflexão que eu precisava. Para mim, colocar sozinha o pé na estrada teve funcionalidade dupla: conhecer o mundo e me conhecer. Bastou-me dinheiro, mapa e muita coragem.

Foto: Arquivo pessoal
Passeio pelo museu Tate Modern com Reece e Oliver. - Foto: Arquivo pessoal
Foto: Bárbara Buril/Especial para o JC
Companheiros de viagem australianos. - Foto: Bárbara Buril/Especial para o JC
Foto: Arquivo pessoal
Pelos pontos turisticos da capital inglesa. - Foto: Arquivo pessoal
Foto: Bárbara Buril/Especial para o JC
Jantar em Convent Garden. - Foto: Bárbara Buril/Especial para o JC
Foto: Bárbara Buril/Especial para o JC
Passeio pelo Borough Market. - Foto: Bárbara Buril/Especial para o JC
Foto: Bárbara Buril/Especial para o JC
Ponte de Londres: Cartão postal da cidade. - Foto: Bárbara Buril/Especial para o JC
Foto: Bárbara Buril/Especial para o JC
Ruas medievais de Edimburgo, na Escócia. - Foto: Bárbara Buril/Especial para o JC
Foto: Bárbara Buril/Especial para o JC
Castelo de Edimburgo. - Foto: Bárbara Buril/Especial para o JC

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias