aviação

Fundador da Microsoft anuncia planos de viagens espaciais

O primeiro teste de voo desse ambicioso projeto está previsto para depois de 2015

Isabela Lemos
Isabela Lemos
Publicado em 13/12/2011 às 20:58
Leitura:

Um avião gigantesco que pode, na metade do voo, lançar um foguete para enviar cargas e até humanos em órbita poderá ser o futuro das viagens espaciais, segundo anunciou nesta terça-feira (13) o milionário filantrópico e fundador da gigante de informática Microsoft, Paul Allen.

O primeiro teste de voo desse ambicioso projeto a cargo da nova companhia de Allen, a Stratolaunch Systems, está previsto para depois de 2015, mas seus parceiros de empreendimento prometem que revolucionará as viagens espaciais na era posterior às naves espaciais americanas (Shuttles).

Utilizando motores de seis aviões 747, o maior avião jamais construído portará um foguete construído por SpaceX e será capaz de lançar cargas, satélites, e talvez algum dia, humanos, a órbitas baixas da Terra, disse Allen.

Apesar de ter se negado a divulgar quanto dinheiro estava investindo, Allen disse que será mais do que gastou na SpaceShipOne, que foi em 2004 o primeiro voo comercial a completar um voo suborbital e seu desenvolvimento custou na época 25 milhões de dólares.

"Pela primeira vez desde John Glenn, Estados Unidos não podem enviar seus próprios astronautas ao espaço", disse Allen aos jornalistas, em referência à retirada das naves espaciais este ano e ao primeiro homem a orbitar a Terra a bordo da nave Mercury 7, em 1962.

"Hoje estamos na aurora de uma mudança radical na indústria do lançamento espacial", disse Allen, prometendo maior flexibilidade que os lançamentos da Terra e melhores custos e efetividade para as missões para cargas e pessoas ao espaço no futuro.

Este projeto "manterá os Estados Unidos na liderança da exploração espacial e dará às crianças de amanhã algo que buscar no céu pelas noites e algo com o que sonhar", completou Allen.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias