Campus Party

Como incluir a efusão de ideias no mundo dos negócios

O palco principal recebeu especialistas para discutir o assunto e mostrar que o tripé do sucesso na web é formado por ideias, reconhecimento de demandas e execução das iniciativas

Juliana Regis
Juliana Regis
Publicado em 27/07/2012 às 13:15
Foto: Igo Bione/JC Imagem
FOTO: Foto: Igo Bione/JC Imagem
Leitura:

O Brasil é um país tradicionalmente criativo, a efusão de ideias faz parte da nossa cultura. Mas como incluir essa característica no mundo dos negócios? Essa foi uma das principais discussões da Campus Party Recife nesta sexta (27). O palco principal recebeu especialistas para discutir o assunto e mostrar que o tripé do sucesso na web é formado por ideias, reconhecimento de demandas e execução das iniciativas.

Infográfico

Arte da quarta-feira da Campus Party

Ronald Dener tocou num ponto crucial desse universo: a tendência do consumerismo - um consumo mais responsável, que procura respeitar o equilíbrio entre produtores, consumidores e distribuidores. "Hoje, as pessoas mudam o comportamento antes das empresas. São os consumidores que influenciam as grandes companhias, e não mais o contrário", ensina.

Para Leonardo Leitão, curador do palco Michelangelo, a chave do negócio é procurar conteúdo personalizado. "Não basta apenas usar as novas tecnologias, é preciso ter um público-alvo."

Foto: Igo Bione
Partido pirata na Campus Party - Foto: Igo Bione
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Campus Party Recife - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Campus Party Recife -
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Palestra sobre empreendedorismo e web tendências - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Campus Party - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Palestra sobre empreendedorismo e web tendências - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Campus Party - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Palestra sobre empreendedorismo e web tendências - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Campus Party - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Palestra sobre empreendedorismo e web tendências - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Campus Party - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Palestra sobre empreendedorismo e web tendências - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Campus Party Recife - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Palestra sobre empreendedorismo e web tendências - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Mike Comberiate (Nasa) visitando campuseiros - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Mike Comberiate - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Palestra sobre empreendedorismo e web tendências - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Campus Party Recife - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Computadores fazem artes e o robores são artistas - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Palestra "Transmídia e a mídia além das mídas sociais" - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Campus Party Recife - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Palestra "Transmídia e a mídia além das mídas sociais" - Foto: Igo Bione/JC Imagem
Foto: Igo Bione/JC Imagem
Campus Party Recife - Foto: Igo Bione/JC Imagem

A dica de Yuri Gitahy, da Aceleradora, para os estudantes é já pensar, desde o início da faculdade, em trabalhar ideias que possam gerar negócios no futuro. "Algumas empresas podem surgir de ideias bem simples. Um grande exemplo que deu certo é o Peixe Urbano, que conseguiu aliar poder de consumo, novas tendências e e-commerce", exemplifica. Segundo ele, é preciso enxergar as oportunidades, ter velocidade e saber arriscar.

Bob Wollheim, da Sixpix Content, mostrou que o mundo online pode exigir menos capital, menos dinheiro para começar a investir. Este é um ponto bastante positivo. Mas, por outro lado, desperta a competição e a consequente necessidade de inovação para conseguir se destacar.

Na opinião dele, falta agregar o mundo empresarial, dos negócios, às ideias dos brasileiros. "Precisamos ser mais ousados, pensar mais longe".

Como exemplo ele cita o universo dos aplicativos e diz que uma pessoa não precisa entender de tudo. Ela pode conquistar parceiros, aliados estratégicos. O caso dele serve como lição. Recentemente se aliou a um jovem de apenas 22 anos - Bob tem 50 - e montou uma empresa que trabalha com desenvolvimento de códigos. "Ele entrou com o conhecimento técnico e eu, com as ideias e a parte de negócios. Está dando certo", comemora.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias